Dirceu desiste de emprego em hotel após 'linchamento'

Termo foi usado pelo advogado do ex-ministro, José Luis Oliveira Lima, que anuncia em nota que seu cliente "abriu mão da oferta de emprego" do hotel Saint Peter, de Brasília; segundo ele, "trata-se de uma decisão tomada com o objetivo de diminuir o sofrimento dos empresários que lhe fizeram a oferta e das centenas de funcionários que trabalham no grupo"; depois que José Dirceu, condenado na Ação Penal 470, foi contratado pelo hotel, o Jornal Nacional denunciou que a empresa tinha como sócio um 'laranja'; antes, Oliveira Lima havia questionado: "por que 400 pessoas podem trabalhar no hotel e o ex-ministro não?"

Termo foi usado pelo advogado do ex-ministro, José Luis Oliveira Lima, que anuncia em nota que seu cliente "abriu mão da oferta de emprego" do hotel Saint Peter, de Brasília; segundo ele, "trata-se de uma decisão tomada com o objetivo de diminuir o sofrimento dos empresários que lhe fizeram a oferta e das centenas de funcionários que trabalham no grupo"; depois que José Dirceu, condenado na Ação Penal 470, foi contratado pelo hotel, o Jornal Nacional denunciou que a empresa tinha como sócio um 'laranja'; antes, Oliveira Lima havia questionado: "por que 400 pessoas podem trabalhar no hotel e o ex-ministro não?"
Termo foi usado pelo advogado do ex-ministro, José Luis Oliveira Lima, que anuncia em nota que seu cliente "abriu mão da oferta de emprego" do hotel Saint Peter, de Brasília; segundo ele, "trata-se de uma decisão tomada com o objetivo de diminuir o sofrimento dos empresários que lhe fizeram a oferta e das centenas de funcionários que trabalham no grupo"; depois que José Dirceu, condenado na Ação Penal 470, foi contratado pelo hotel, o Jornal Nacional denunciou que a empresa tinha como sócio um 'laranja'; antes, Oliveira Lima havia questionado: "por que 400 pessoas podem trabalhar no hotel e o ex-ministro não?" (Foto: Ana Pupulin)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O advogado José Luis Oliveira Lima, que defende o ex-ministro José Dirceu, anunciou em nota que seu cliente decidiu "abrir mão da oferta de emprego" do hotel Saint Peter, de Brasília. "Trata-se de uma decisão tomada com o objetivo de diminuir o sofrimento dos empresários que lhe fizeram a oferta e das centenas de funcionários que trabalham no grupo", justifica o advogado, que cita no texto a expressão "linchamento midiático".

Depois que Dirceu foi contratado pelo hotel, que segundo lembra Oliveira Lima, é "tradicional" na capital, o Jornal Nacional denunciou que a empresa tem como sócio um 'laranja', José Eugenio Silva Ritter, que mora num bairro pobre do Panamá. Na avaliação do advogado, o tratamento dado pela mídia à oferta de emprego, que reforça, "cumpria todas as formalidades exigidas em lei", "denuncia a intenção de impedir que o ex-ministro trabalhe".

A nota diz ainda que José Dirceu agradece a boa vontade dos proprietários do hotel por terem lhe contratado, mas que "não considera justo que outras pessoas (...) estejam obrigadas a partilhar da sanha persecutória que se abate contra ele". Mais cedo, num texto publicado no blog de Dirceu, o advogado havia questionado: "por que 400 pessoas podem trabalhar no hotel e o ex-ministro não?". E lembra que a constituição societária da empresa não diz respeito a Dirceu – e nem a seus 400 funcionários.

Leia aqui o texto publicado mais cedo no blog e abaixo a íntegra da nota de seu advogado.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email