Quilombolas fazem ato em Brasília contra paralisação da regularização fundiária de Bolsonaro

A titulação de territórios quilombolas no atual governo foi 78% menor do que em gestões anteriores, informou a Coordenação Geral de Regularização de Territórios Quilombolas

www.brasil247.com -
(Foto: Divulgação)


247 - A paralisia nos processos de regulamentação fundiária dos territórios quilombolas sob o governo Bolsonaro - pior desempenho de todas as gestões desde 2003 -, e a exposição dessa população a violações de direitos, invasões e violências serão foco do Aquilombar, evento que reunirá em Brasília, em 10 de agosto, quilombolas de todo o país para debates e manifestações.

Segundo dados da Coordenação Geral de Regularização de Territórios Quilombolas (DFQ), ligada ao Incra, a titulação de territórios quilombolas no atual governo foi 78% menor do que em gestões anteriores, o que comprometeu profundamente a proteção dessas comunidades. Nesses quase quatro anos, o governo Bolsonaro expediu títulos para apenas três terras quilombolas. A título de comparação, constata-se que, apenas no período de 2011 a 2014, 14 quilombos receberam o título da terra, direito garantido pela Constituição.

Atualmente, há na fila de comunidades quilombolas à espera de regularização fundiária 1.748 pedidos aguardando análise do Incra, além de 55 esperando a conclusão do processo de titulação. Cerca de 3 mil que ainda esperam o reconhecimento da Fundação Cultural Palmares, primeiro estágio para a regularização dos territórios. Em todo o país, apenas 144 dos 5.972 territórios quilombolas identificados pelo IBGE são titulados, de acordo com levantamento da Comissão Pró-Índio de São Paulo (CPI-SP).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Esse retrocesso fundiário foi uma das marcas negativas da gestão do ex-presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, marcada por polêmicas e ataques aos movimentos negro e quilombolas. Camargo deixou o governo Bolsonaro em março e hoje é candidato a deputado federal pelo PL de São Paulo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A luta pelo direito ao território ancestral e pela garantia de acesso a políticas públicas específicas, deve levar mais de dois mil quilombolas de 24 estados a Brasília para o evento. em agosto, no ato Aquilombar, que vem sendo organizado pela CONAQ — Coordenação Nacional  de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email