Dono da Havan fala em “histeria”, mas admite que pode fechar as portas, demitir e reduzir salários

Em live no Facebook, empresário Luciano Hang critica decisão de políticos de “parar a cidade” e avalia haver “uma histeria maior do que o problema”. “Vai morrer mais gente de coração, suicídio, de problema psicológico, do que coronavírus”, disse

(Foto: Reprodução)

247, com informações do Blog do Esmael - O empresário Luciano Hang, dono da Havan, admitiu em uma live transmitida em sua página no Facebook que, diante da crise do coronavírus e em meio à quarentena no País, poderá fechar as portas de sua rede de lojas e demitir mais de 22 mil colaboradores devido à crise econômica que virá.

Apesar disso, o empresário, que é aliado de Jair Bolsonaro, mas que faz críticas ao governo durante fala, sem citar o nome do presidente, chama a decisão de políticos - prefeitos e governadores - de “parar as cidades” de “precipitada” e até de “histeria”. Para ele, será mais grave a paralisação econômica do que o vírus em si.

Ele prevê uma “devastação” com quebradeira de empresas e aumento de desemprego. “Vai ser uma tristeza”, disse. “Muito maior que as pessoas possam imaginar”. “As decisões não podem ser tomadas de forma tão atabalhoada desse jeito, tem que ter bom senso”.

“Vai morrer mais gente de coração, suicídio, de problema psicológico, do que coronavírus”, acrescentou. “Eu estou vendo uma histeria maior do que o problema. Estão tomando medidas acima do que precisava tomar”, diz.

No início da live, ele afirma que viaja com frequência à Itália e assegura que “o Brasil não é uma Itália”, e por isso não chegaremos à mesma situação em que o país vive hoje. Apenas nas últimas 24 horas, houve 627 mortes registradas no País.

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247