Infectologista fala à TV 247 sobre a pandemia do coronavírus e dá dicas importantes de como evitar

O médico infectologista Gerson Salvador conversou nesta quarta-feira (11) com a TV 247 sobre a pandemia do coronavírus, declarada hoje pela Organização Mundial da Saúde, explicou como se transmite o vírus, como faz para evitar e também abordou a questão do uso das máscaras

Médico infectologista Gerson Salvador
Médico infectologista Gerson Salvador (Foto: reprodução | Comune di Venezia)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - Em entrevista à TV 247, o médico infectologista Gerson Salvador falou sobre o coronavírus. Leia os principais tópicos:

OMS declara pandemia

"Quando se fala em pandemia, não se fala em uma doença mais ou menos grave, mas se fala de uma doença que está sendo transmitida em diversos territórios. Esse avanço da epidemia não fala apenas de pessoas e vírus, de células infectadas. Há diversas consequências econômicas, consequências políticas, consequência em fluxo de pessoas. O presidente da OMS já havia falado em três ocasiões que pesavam essas responsabilidades e hoje sim decretou pandemia."

continua após o anúncio

"Ele circulou a partir do hemisfério norte primeiro, os casos concentrados na China, no Japão e na Coreia do Sul, no momento seguinte na região da Europa após a Ásia e os casos no hemisfério sul são mais recentes. Se ele se comportar como o vírus influenza, circula melhor entre o outono e inverno. Mas a gente não tem como saber se o fato de estar no verão é um fator de proteção ou não. Até o presente momento os casos se concentram no hemisfério norte que está passando pelo inverno."

Como se transmite o coronavírus

"Vírus respiratórios se transmitem no contato próximo às pessoas. O inverno, as situações de frio são favoráveis, só que a gente tem alguns vírus respiratórios que se disseminam no verão também. O que acontecerá com este coronavírus é muito cedo para a gente saber."

continua após o anúncio

"No geral, quando se tem um novo vírus respiratório introduzido, ele circula na população, ele acaba produzindo uma doença mais grave nas pessoas que são mais suscetíveis a ele. No caso do coronavírus são as pessoas mais idosas. Se ele for um vírus muito letal, se ele matar muita gente de vez, ele é um vírus mal adaptado àquela espécie e para de circular. O coronavírus, como 80% dos casos - pelo menos - são leves, as pessoas vão circular, elas têm contato direto e indireto, e ele acaba circulando na comunidade. Então pode ser que o vírus fique circulando, mas que nos próximos anos, como não encontrará tantas pessoas suscetíveis como encontrou agora, ele tenha um comportamento parecido com outros vírus respiratórios causando quadros de menor gravidade."

O coronavírus tem cura?

"Há protocolos de pesquisa para desenvolver vacina contra o coronavírus sim, mas vacina não sai de uma hora para outra, não vai sair na semana que vem e nem no mês que vem, porque a gente precisa ter estudos sérios que mostrem que a vacina é efetiva (...). Em alguns meses pode ter vacina contra o coronavírus, mas a gente não sabe o que vai acontecer nos próximos meses."

continua após o anúncio

O que fazer para evitar o coronavírus?

"Primeira coisa, sem desespero. Segunda coisa, evitar fake news. Cada vez que você manda uma notícia inverídica que você não checa a fonte para os grupos de WhatsApp, você está promovendo desespero. E para as pessoas que conseguem acessar as melhores informações, eu digo rebatem as fake news. Já teve gente que falou, por exemplo, para usar vinagre para limpar a mão ao invés do álcool gel, que é uma absoluta inverdida. Já teve gente que falou que bastava tomar água em 15 em 15 minutos porque o ácido do estômago acabaria com o coronavírus, outros mandaram tomar chá de erva-doce." 

"Higiene das mãos tem que estar incorporada no nosso dia a dia porque é a melhor maneira de prevenir infecções. Não é só o coronavírus, é para prevenir outras infecções respiratórias como a gripe, que mata todos os anos de 290 até 690 mil pessoas. A higiene das mãos também evita a transmissão de sarampo, as infecções hospitalares. Quarenta a trinta segundos esfregando toda a superfície da mão com álcool gel. Se tiver sujeira na mão tem que ser água e sabão. Quarenta a sessenta segundos. Então vamos lavar bastante as mãos. Se for tossir ou espirrar, cubra a boca com a região do cotovelo para evitar disseminar.

continua após o anúncio

Máscara

"Tem muita gente falando para andar de máscara. Não faça isso porque não é eficaz. Máscara na rua não protege ninguém, porque na rua as pessoas se contaminam com a secreção, coçam o olho, o nariz e acabam trazendo vírus para o próprio corpo. Então não precisa, não devem andar mascarado.

"Para as pessoas que estiverem doentes, com sintoma respiratório, se a pessoa está com febre, se ela usar a máscara, vai diminuir a chance de transmitir. Para essas pessoas faz sentido. Para quem quer evitar pegar a doença, na rua não é para andar mascarado. Vocês vão acabar com as máscaras e não vão se proteger. E, claro, se a pessoa tiver com os sintomas respiratórios, parte da própria pessoa de não ficar tocando nas outras pessoas, evitar contatos de secreção de salivas, ficar beijando a mão da criança, a cabeça do vovô."

continua após o anúncio

Assiata à enrevista na íntegra:

 

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247