CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Saúde

Ministério da Saúde rebate fake news bolsonarista sobre legalização do aborto no Brasil

Bolsonaristas distorceram o conteúdo de uma nota técnica da pasta da saúde para promover mais uma fake news

Imagem Thumbnail
Nísia Trindade (Foto: Paulo Pinto/Agência Brasil)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - A ministra da Saúde, Nísia Trindade, suspendeu nesta quinta-feira (29) a nota técnica que derrubava orientação do governo Bolsonaro que fixava prazo para o aborto legal.

A recomendação do governo Bolsonaro era a de que o aborto legal fosse feito até 21 semanas e 6 dias de gestação. O argumento era que, a partir daí, haveria "viabilidade do feto" de sobreviver e não seria mais um aborto, mas parto prematuro. Tal recomendação, como relembrou reportagem do G1,  criou situações como a da menina de Santa Catarina de 11 anos estuprada que descobriu que estava grávida com 22 semanas. Inicialmente, ela foi impedida de fazer o aborto.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

No entanto, o fato foi transformado para a fake news “Governo Lula aprova o aborto no Brasil” por vários bolsonaristas influentes em suas redes.

Em nota, o ministério ressalta que “o documento não passou por todas as esferas necessárias do Ministério da Saúde e nem pela consultoria jurídica da Pasta, portanto, está suspenso”.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO