América latina

Uruguai usa eventual acordo com a China para pressionar Brasil a cumprir promessas antigas

Projetos são fundamentais para que o Brasil não continue perdendo relevância na sua vizinhança

www.brasil247.com - O presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, recebe o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, na residência de Suarez, em Montevidéu, Uruguai
O presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, recebe o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, na residência de Suarez, em Montevidéu, Uruguai (Foto: MARIANA GREIF/REUTERS)


247 - Os presidentes brasileiro e uruguaio discutiram nesta quarta-feira (25) uma série de iniciativas bilaterais mutualmente benéficas, entre elas a modernização do aeroporto na cidade de Rivera, na fronteira com o Brasil, a construção de uma ponte sobre o rio Jaguarão, no Rio Grande do Sul, e da hidrovia de Lagoa Mirim, para escoar cargas entre os dois países. Os projetos são fundamentais para que o Brasil não continue perdendo relevância na sua vizinhança.

O jornalista Marcelo Zero, colunista do Brasil 247, chamou atenção para o caso da ponte e da hidrovia em particular. Segundo ele, Montevidéu usa da firma de um eventual acordo de livre comércio com a China para pressionar o Brasil a cumprir essas antigas promessas, enquanto Pequim intensifica seus investimentos em toda a região.

"O acordo foi firmado em 2007, percorreu o longo caminho legislativo e foi promulgado em 2013.  Até agora, no entanto, a ponte não saiu do papel. A ponte antiga, a Barão de Mauá, de 92 anos, não comporta trânsito pesado, e precisa de reforma", apontou. 

"Esse e outros atrasos em obras bilaterais, como o referente à hidrovia da Lagoa Mirim, vital para ligar a produção de arroz do norte do Uruguai ao porto de Rio Grande, geram ressentimentos em nosso vizinho". 

"Enquanto isso, a China investe bastante no Uruguai. Por exemplo, a construção do grande  anel de transmissão de energia elétrica no norte do Uruguai, que inclui uma linha que ligará Tacuarembó a Salto estará a cargo da empresa China Machinery Engineering Corporation (CMEC). Ressalte-se que a China já é o principal sócio comercial do Uruguai. Em 2021, a China absorveu 28% das exportações uruguaias. Em segundo lugar, veio o Brasil, com distantes 16%". 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

      

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247