2020: ano de resistência, solidariedade e luta

Para 2021 temos o desafio de organizar o povo a partir das seguintes bandeiras de lutas: Vacina já, gratuíta e para todos e todas; terra e moradia; emprego e renda; combate à fome e à desigualdade; combate à violência contra as mulheres, ao racismo, ao genocídio e à homofobia; por uma Renda Básica Permanente e pelos direitos políticos do ex-presidente Lula



A Central de Movimentos Populares (CMP) cumprimenta toda a sua militância por mais um ano de muita luta em defesa dos direitos, da democracia e soberania. Vivemos um 2020 atípico, com a pandemia do novo coronavírus que afeta todos os povos do mundo, piorando as condições em todas as dimensões da vida: econômica, política e social. Vemos o autoritarismo e o neoliberalismo avançarem no plano internacional, com aumento ainda mais acelerado da desigualdade social. No Brasil, a situação não é diferente: um governo ultraliberal e neofascista mostra sua face mais cruel, desprezando a vida do seu povo e buscando, a todo momento, aproveitar a situação para fazer avançar sua agenda de privatizações, violação de direitos e ataques à democracia. Mas os movimentos populares e demais organizações das classes trabalhadoras resistem e apontam a luta como caminho para a transformação.

No plano internacional, o principal fato do ano, sem dúvida alguma, foi a pandemia da COVID-19 que se iniciou em janeiro e, rapidamente, se espraiou para todas as regiões do mundo. Já são mais de 75 milhões de casos e 1,6 milhão de mortes no planeta, um número que deve seguir crescendo aceleradamente. No Brasil, nos aproximamos de 200 mil mortes e mais de 7 milhões de casos de covid-19. Apesar da necessidade de maior presença dos Estados Nacionais na organização da vida social e econômica em defesa da saúde e da sobrevivência de suas populações, o que vimos foi mais do mesmo, os interesses do mercado e do capital colocados acima da vida do povo. E os piores exemplos foram dados justamente pelos Estados Unidos da América de Donald Trump e por seu capacho Jair Bolsonaro, no Brasil. 

Com discursos negacionistas, anticientíficos e que visavam única e exclusivamente defender os interesses do capital, Trump e Bolsonaro deixaram suas populações vulneráveis ao novo coronavírus e às suas consequências econômicas e sociais, levando milhares de pessoas à morte e condenando milhões ao desemprego e ao desalento. Também houve tentativas de fazer avançar a agenda neofascista de desmonte institucional do que resta de Estado de Direito nos países, o que poderia ter nos levado a condições ainda piores às que estamos vivendo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Felizmente, nós, dos movimentos populares, ao lado das torcidas organizadas e dos movimentos negro e contra o genocídio da população jovem, negra e periférica - mesmo com restrição imposta pela necessidade do isolamento social -, saímos às ruas contra o fascismo, o racismo e em defesa da democracia. Nos Estados Unidos, os protestos do movimento Black Lives Matter também tiveram importância decisiva na retomada do protagonismo das ruas em defesa de direitos e na posterior derrota eleitoral de Trump. A direita autoritária que emergiu com Trump há quatro anos sofreu uma grande derrota para o candidato representante do velho neoliberalismo. Porém, no Brasil, na primeira eleição pós-2018, a direita bolsonarista e a velha direita neoliberal foram vitoriosas, principalmente nos pequenos municípios. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A esquerda também obteve conquistas políticas. Talvez a maior delas seja o auxílio emergencial de R$ 600, uma política pública que resultou da atuação dos movimentos sociais e da oposição de esquerda no Congresso Nacional, garantindo meios de vida para a população mais vulnerável do país nos piores momentos da pandemia. Ao derrotar a proposta inicial do governo, limitada a R$ 200 reais, por apenas 3 meses e para poucas pessoas, impomos uma derrota ao bolsonarismo, e mostramos mais uma vez nosso compromisso com a vida do povo brasileiro. Nas eleições, a esquerda (PT, PSOL, PC do B, UP, PCO, PSTU) manteve a posição de quatro anos atrás, mas com algumas importantes conquistas: prefeituras como a de Belém (PA), Juiz de Fora e Contagem (MG), Diadema (SP), passagem do Boulos para o segundo turno em São Paulo e a vitória nas câmaras municipais de candidaturas representativas dos setores populares, juventude, das mulheres, da população negra e LGBTI+. A centro esquerda (PSB, PDT e Rede) teve uma queda significativa em comparação com 2016.  

No entanto, há muito a fazer. A América Latina foi a região mais atingida econômica e sanitariamente pela pandemia, e ao mesmo tempo é a região com menor tributação dos mais ricos. Pelos cálculos da campanha “Agora ou Nunca! Impostos sobre as Grandes Fortunas”, promovida pela Rede de Justiça Fiscal da América Latina e Caribe e Rede Latino-americana por Justiça Econômica e Social (Latindadd), a pandemia empobreceu cerca de 45 milhões de pessoas nos 24 países da região, um dado alarmante que mostra o tamanho do desafio que teremos pela frente. A faixa da população dos 10% mais ricos na América Latina concentra 63% da riqueza e paga muito pouco em tributos sobre seus ativos financeiros e patrimoniais. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) aponta que a região retrocedeu 15 anos na luta contra a pobreza, com o fechamento de 2,7 milhões de empresas formais e queda de 9,1% do Produto Interno Bruto (PIB). O estudo da Latindadd mostra que 60% dos bilionários latino-americanos herdaram suas fortunas, passando-as de geração a geração sem tributação. Aqueles que gritam pela “meritocracia” na verdade não trabalham, vivem da exploração de nossas terras, riquezas naturais e força de trabalho, sem oferecer qualquer contrapartida em impostos e tributos. 

Por isso, é muito bem-vinda as iniciativas do Chile, que em um contexto de ascensão das lutas de massas aprovou em maio um novo imposto sobre o patrimônio de super-ricos, e passará por uma Constituinte Exclusiva e Soberana para superar o neoliberalismo e o autoritarismo legados pela ditadura de Pinochet. Argentina e Bolívia seguiram o mesmo caminho e aprovaram em novembro a cobrança de impostos sobre grandes fortunas. Equador e Peru avançam na mesma direção. Ressalta-se ainda que, apenas um ano após o golpe, o povo boliviano conseguiu reverter o processo que estava em curso no país e elegeu o Movimento Ao Socialismo (MAS) à Presidência da República, possibilitando o retorno de Evo Morales ao país. O novo presidente, Luis Arce, terá agora condições de aprofundar as transformações democratizantes na Bolívia rumo à construção do socialismo.  

No Brasil, a situação da desigualdade social é cada vez mais difícil. O relatório mundial sobre índices de qualidade de vida divulgado pelo Programa das Nações Unidas para Desenvolvimento (PNUD) aponta que somos o 8º país em desigualdade de renda, atrás apenas de nações africanas como África do Sul, Namíbia e Zâmbia. Pior, o resultado é referente ao ano de 2019, ou seja, ainda não traz o impacto da pandemia no país, que deve piorar a nossa situação, dado o crescimento do desemprego, do desalento e a queda das atividades econômicas em todos os setores. O que temos ao final deste ano é o país figurando no Mapa Mundial da Fome, com a maior alta do preço dos alimentos desde 2002 e o desemprego em 14,6% no terceiro trimestre, com mais de 14 milhões de desempregados. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nas cidades, nossa situação se agravou com a política que favorece os interesses do capital financeiro e do mercado imobiliário, aumento da violência contras mulheres, juventude negra e periférica, do racismo e homofobia. A COVID-19 intensificou os conflitos urbanos, com a aceleração de tendências que já estavam em curso, de aceleração da apropriação privada – e financeirizada – da terra em meio urbano. Houve um aumento significativo no número de despejos, da violência estatal contra a população moradora em ocupações e o avanço de propostas em favor dos interesses do mercado. 

Por meio da Campanha Despejo Zero, que nos envolvemos junto a diversos movimentos populares, organizações da sociedade civil e universidades, denunciamos o aumento no número de despejos no país. Só em São Paulo, são 51 áreas ameaçadas de reintegração de posse durante a pandemia. Por incrível que possa parecer, no momento em que as autoridades sanitárias preconizavam o “fique em casa”, aumentou significativamente o número de despejos de ocupações urbanas no Brasil. Entre abril e junho, na região metropolitana, houve duas vezes mais despejos do que antes da pandemia, e por diferentes formas, judicial e extrajudicial. No Brasil, de março a agosto, mais de 6.400 famílias moradoras de ocupações foram despejadas, e outras 19 mil estão ameaçadas. No estado de São Paulo, foram 1.681 remoções, e outras 5 mil famílias ameaçadas. E esses números devem ser maiores, pois estão aqui contabilizados apenas os casos mapeados pelos movimentos urbanos e universidades parceiras. 

Para além dos efeitos decorrentes da crise econômica e sanitária, neste ano também tivemos ataques a importantes políticas sociais, como o fim do programa habitacional Minha Casa Minha Vida, desmantelamento do SUS, da política cultural, do meio ambiente, e repressão e criminalização dos quilombolas e indígenas, retrocessos em todas as áreas sociais, nunca antes visto no país.   

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Frente a tais condições adversas, além de organizar atos em defesa dos direitos e da democracia, e campanhas como a do Despejo Zero, Taxar Fortunas para Salvar Vidas, nós, dos movimentos populares, tivemos extrema importância na realização de ações de solidariedade e nas lutas por acesso à água. Por iniciativas como a rede Movimentos Populares contra a Covid-19 distribuímos milhares de cestas básicas nas periferias das principais cidades do país, máscaras de proteção e kits de materiais de higiene. Criamos experiências de cozinhas comunitárias e iniciativas de economia solidária, sem as quais milhares de famílias estariam jogadas à própria sorte nos piores momento da pandemia, sem qualquer assistência do Estado. 

A Central de Movimentos Populares e suas filiadas mostraram não apenas que a esquerda segue viva no país, como segue sendo a única possibilidade de construção de justiça social e desenvolvimento inclusivo e solidário. O ano de 2021 traz como principal desafio o acúmulo de forças em defesa de um outro projeto para o país: em defesa da vida e não da morte, em defesa da democracia e não do autoritarismo, e em defesa do socialismo e não do capital. Precisamos estreitar ainda mais nossas relações com as classes populares, por meio de ações concretas e coordenadas de organização da resistência e da luta nas favelas, ocupações, bairros periféricos, locais de trabalho, escolas, universidades e espaços institucionais. 

Para 2021 temos o desafio de organizar o povo a partir das seguintes bandeiras de lutas: Vacina já, gratuíta e para todos e todas; terra e moradia; emprego e renda; combate à fome e à desigualdade; combate à violência contra as mulheres, ao racismo, ao genocídio e à homofobia; por uma Renda Básica Permanente e pelos direitos políticos do ex-presidente Lula. Fora Bolsonaro, seu governo e sua política. Somente com formação política e educação popular, organização e luta vamos superar esse difícil momento de nossa história. Por um Brasil democrático, popular e socialista, em 2021 sigamos em luta!

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email