CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mario Vitor Santos avatar

Mario Vitor Santos

Mario Vitor Santos é jornalista. É colunista do 247 e apresentador da TV 247. Foi ombudsman da Folha e do portal iG, secretário de Redação e diretor da Sucursal de Brasilia da Folha.

91 artigos

blog

A frágil performance de Milei pode ser intencional e não garante vantagem de Massa domingo

"Ao deixar Massa tomar a iniciativa do ataque, Milei pode ter agido de forma consciente, mirando o eleitor indeciso e fatigado", escreve Mario Vitor Santos

Sergio Massa (à esq.) e Javier Milei (Foto: REUTERS)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Seria possível antecipar uma derrota de Javier Milei no decisivo debate presidencial de ontem. O difícil seria prever a surra tão completa a que se submeteu o candidato da motosserra.

Milei se revelou tenso, vacilante, sem estratégia e mal preparado diante de um Massa que tomou a iniciativa e impôs uma saraivada incessante de golpes sobre o adversário em toda a primeira metade do confronto.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Milei rendeu-se logo de início, incapaz de mobilizar quaisquer das armas que tinha à disposição. Tinha uma só meta: aplacar o suposto medo que suas propostas e seu comportamento agressivo criam em parcela do eleitorado.

Um debate presidencial como esse revela as fragilidades da cobertura jornalística. As questões que o jornalismo não faz, ou não tem chance de fazer, são feitos. Os desmascaramentos das propostas mentirosas ou irrealistas os candidatos acabam tendo a oportunidade de fazer no cara a cara, quando se enfrentam pressionados pela decisão iminente do eleitor.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Assim, na noite de ontem desabou o Milei histriônico que reinava nos programas de TV e rádio de jornalistas amigos e nas redes sociais.

Talvez, porém, haja afinal um sentido na atitude de Milei. O que lhe pode dar alguma lógica é vê-la como influenciada pela traumática - para a extrema-direita - derrota de Bolsonaro diante de Lula há um ano.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Os bolsonaristas ainda tentam elaborar essa derrota, e seguem fazendo-o agora junto com seu aliado argentino. O próprio Milei parece dar muita importância a esta especie de terceiro turno da eleição brasileira (ou seria o primeiro turno da eleição de 2026?).

Até pela seguidas referências ao fantasma da presença de  "marqueteiros brasileiros enviados por Lula" sempre mencionados por Milei, inclusive no debate deste domingo.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O fato é que as configurações políticas de Brasil e Argentina estão cada vez mais entrelaçadas em campos que se aliam e se opõem, em polos cada vez mais semelhantes.

Até a ascensão de uma extrema-direita radical,  defenestrando as respectivas opções tradicionais da direita nos dois países, contribui para esse espelhamento dos dois processos políticos.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

No caminho, resta à "mídia conservadora" a opção entre a orfandade "ideológica" e a rendição, nem sempre lamentada, ao bizarro candidato que se apresenta lá e cá.

Há, porém, uma importante ressalva a ser feita sobre a eficácia do desempenho de cada candidato no debate do domingo e suas repercussões sobre o voto dos 8 a 12% de indecisos. São estes os que importam mais agora, pois depende deles a vitória no domingo.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Ao deixar Massa tomar a iniciativa do ataque, Milei pode ter agido de forma consciente e intencional, mirando justamente eleitor indeciso e fatigado da polarização política e das agressões - mesmo que necessárias- entre candidatos.

Com esse expediente,  Milei procurou afastar de si a pecha de ser o mais agressivo na disputa. Massa, nessa hipótese, atuou a favor do adversário.

Milei ofereceu-se aos dardos de Massa porque sua meta maior  no combate era justamente se vitimizar para aplacar o medo que difunde, considerando que este seja um sentimento relevante para a decisão do eleitor indefinido. Bolsonaro não conseguiu. Milei conseguirá?

Neste caso, não importariam nem o conteúdo das questões,  mas a forma.

Massa encaixou golpes duríssimos sobre Milei. Interpelou, com evidências, que Milei promete cortar o valor das aposentadorias em 80%, aumentar as passagens de ônibus e trens em pelo menos dez vezes, implantar educação e saúde pagas onde hoje são gratuitas, expôs a traição do adversário aos heróis da guerra das Malvinas. Milei atabalhoado teve que se desdizer uma e outra vez.

Pressentindo a delicadeza da situação,  evitando temas polarizadores, Massa evitou no bloco sobre direitos humanos qualquer referência aos crimes cometidos durante a ditadura e sua exemplar punição.

Mas será que isso importa? Assim como os votantes em Massa, talvez a maioria, o façam não pelo teor de seus planos, mas para evitar o mal maior, também os de Milei não deixem de escolhê-lo pelo fracasso neste debate. Alguns talvez até sejam atraídos justamente porque ele não demonstrou nenhum preparo, nenhuma assertividade, a não ser se oferecer inerte aos golpes do adversário.

Foi a vitória de um profissional contra a aparente vulnerabilidade de um amador que jogou parado. A vitória pode não garantir, pode até complicar, a vida de Massa no domingo.

Tomara que não,  mas p momento é grave. A serpente pode se mostrar frágil para seduzir os indecisos,  vencer e seguir chocando seus ovos.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO