Amanhã vai ser maior?

Creio e quero fazer crer que o único e verdadeiro sentido está em derrotar o fascismo e para tanto é preciso um grande acordo entre as diferentes agentes sociais para engrenar uma força sinérgica que cumpra o objetivo: Fora Bolsonaro, Impeachment Já! O restante se resolve depois, dentro do campo da Democracia.

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Já nos denominamos 70% e dissemos que estávamos Juntos. Também pautamos Direitos Já e tantas outras insígnias e bordões. "Ano passado, eu morri, mas esse ano eu não morro" talvez expresse a experiência de 2020 e as lições para 2021. Quando o Presidente insinuou e agiu de modo abertamente golpista, as vozes dessa nossa Democracia mambembe tiveram a capacidade de dar um basta às pretensões malfazejas do bloco extremista, fanático, fundamentalista.

Passou-se o ano: crise econômica, desemprego, pobreza, fome, mas principalmente, pandemia, mortandade e inoperância. Aos poucos, o facínora foi recuperando popularidade e aprovação, a ponto de ter se saído relativamente ileso e bem sucedido da disputa eleitoral e chegar ao fim do ano com bons índices e iniciativa para cobiçar o controle do Congresso Nacional.

Pior: retomou o discurso de interrupção da precária normalidade democrática, confiante no seu apoio junto aos militares, milícias e bases sociais. Mesmo a derrota de Trump - e sua pantaleônica tentativa de golpe - lhe serviram como gatilho mobilizador, de grande serventia em se tratando de um tempo, público e mentalidade que prefere a narrativa aos fatos.

Somente um dado lhe causou obstáculos: a incessante e crescente crise sanitária, responsável pela morte de mais de duzentos mil brasileiros e escancarada com o fracasso da política negacionista quanto à vacinação. O descaso absoluto com a saúde e vida da população chegaram num ponto limítrofe. A força da realidade se impôs perante ao corolário homicida.

Abriu-se, então, uma nova janela de oportunidade política, agregando um conjunto difuso e diverso de sujeitos e organizações que repudiam e denunciam o morticínio como política de governo e projeto de sociedade. A (re)constituição de um movimento cívico que paute a salvação nacional e o rechaço aos propósitos fascistas ainda é incerta e carrega contradições, dubiedade e desconfianças. Mas é o que temos para o momento frente a um inimigo perigoso, determinado e inescrupuloso.

As carreatas de 23 de janeiro talvez não dêem em nada, não passem de uma revolta pontual e temporária, mas trazem consigo a esperança de que possuam algo a mais. Unificar objetivos e ações em meio a tamanho ressentimento e falta de orientação é desafiador, porém é justamente a tarefa, o esforço, o caminho.

Será que vamos aprender com os episódios de 2020 ou continuaremos subestimando o risco iminente de uma aventura golpista e ditatorial? Não é fácil e nem simples forjar essa luta, ainda mais sabendo que a oposição neoliberal vacila e cede frente a agenda econômica privatista de Guedes e teme o retorno da Esquerda ao centro do poder.

Mas a pergunta e a necessidade se mostram inevitáveis: amanhã vai ser maior? Isto é, temos mesmo a convicção e a decisão de ir em busca de uma mudança e resgate dos princípios que fundam e estruturam uma sociedade civilizada e minimamente justa ou nos deixaremos vencer pela barbárie ideológica e societária que implicará em retrocessos de consequências funestas?

Creio e quero fazer crer que o único e verdadeiro sentido está em derrotar o fascismo e para tanto é preciso um grande acordo entre as diferentes agentes sociais para engrenar uma força sinérgica que cumpra o objetivo: Fora Bolsonaro, Impeachment Já! O restante se resolve depois, dentro do campo da Democracia.

E, então, amanhã vai ser maior. E melhor.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email