CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Alex Solnik avatar

Alex Solnik

Alex Solnik é jornalista. Já atuou em publicações como Jornal da Tarde, Istoé, Senhor, Careta, Interview e Manchete. É autor de treze livros, dentre os quais "Porque não deu certo", "O Cofre do Adhemar", "A guerra do apagão" e "O domador de sonhos"

2484 artigos

blog

Anistia a golpe de Estado é incentivo a novos golpes

"Seus autores saberão que, se a correlação de forças no Congresso lhes for favorável, nada vai acontecer com eles", destaca Alex Solnik

(Foto: Paulo Pinto/Agência Brasil)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Dois objetivos nortearam o ato político-pentecostal comandado por Bolsonaro na avenida Paulista: emparedar o STF e lançar campanha pela anistia dos acusados e condenados pelo 8/1.

O primeiro objetivo saiu pela culatra. Quem ficou mais emparedado foi o próprio Bolsonaro, ao produzir mais provas contra si mesmo. Ao confrontar o STF, dizendo que “hoje, tão poucos, pouquíssimos, causam males a todos nós”, ele confirmou seu desprezo pelas instituições democráticas e que sua intenção sempre foi derrubá-las para instaurar uma ditadura.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O segundo objetivo apoia-se na esperança de aprovação do PL 5064, do senador Hamilton Mourão, que já tramita no Senado.

Conceder anistia é uma das prerrogativas do Congresso Nacional, diz o artigo 48 da Constituição. Há que haver, entretanto, um forte motivo que a justifique.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Bolsonaro mencionou a “pacificação do país”, um argumento falso, já que o país está pacificado, não há atentados terroristas nem presos políticos torturados e encarcerados em masmorras como em 1979, quando foi promulgada a “anistia ampla, geral e irrestrita”.

Nem há mais clima de instabilidade política que foi marca do seu governo. Clima que tenta recriar a partir do comício de domingo. (Claro, tem que haver primeiro distúrbios para clamar por pacificação).

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Os que foram e ainda serão condenados pelo 8/1 não foram presos sem provas, não foram torturados, e tiveram direito ao contraditório.

Estão pagando por crimes contra o Estado Democrático de Direito.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O “crime” dos presos políticos da ditadura era defender o Estado Democrático de Direito.

São situações diametralmente opostas.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Anistiar “acusados e condenados nas leis 359-M e 359-L”, como pleiteia o PL do Mourão, o que, evidentemente, inclui Bolsonaro, é incentivar novas tentativas de golpe, pois seus autores saberão que, se a correlação de forças no Congresso lhes for favorável, nada vai acontecer com eles.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO