As leis também existem para Nelson Piquet

www.brasil247.com - Nelson Piquet e Lewis Hamilton
Nelson Piquet e Lewis Hamilton (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil | Reuters)


Quero falar hoje de uma espécie de semiologia forense do racismo. E em que medida esses atos racistas do ex-piloto e ex-estrela do esporte brasileiro, Nelson Piquet, podem produzir uma onda de impunidade frente ao conteúdo histórico mais podre do Brasil: o racismo! Como assim? 

Semiologia, em grosso modo, é o sentido das coisas. Não me refiro aqui – não é o lugar – sobre o estudo da ciência da Semiologia, no entanto, o básico de sua abordagem, a saber, a relação dos signos linguísticos e sua potência na produção cognitiva do conhecimento das pessoas sobre as coisas. Resumindo: é o significado que brota de cada objeto/evento que vemos ou ouvimos. 

Forense é um termo jurídico. Guarda relação com o fórum, em etimologia do Latim. Contudo, se amplia ao sentido do exercício jurídico e jurisdicional das coisas legais, particularmente mais utilizado em eventos do Direito Penal. Portanto, fala-se bastante na análise dos efeitos criminais com abordagens forenses. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por derradeiro, racismo é o nojo da ação, sensação e vivência humana que separa pessoas em sentido depreciativo. Distingue pessoas por efeitos de raça etc. É o evento  antiético, anti-dignidade, destarte, anti-humano. No Brasil sua potência máxima deriva dos tempos malditos da escravidão do povo africano sequestrado de suas nações do outro lado do Atlântico para serem obrigados à tortura do trabalho escravo nas lavouras e nas pias cheias de louças dos homens brancos (homem aqui é uma remissão ao sentido patriarcal, outro braço podre do Brasil, que se hegemoniza como anti-cultura). 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Dito esta introdução, por semiologia forense do racismo, verso e inverso, podemos dizer que  é o lugar de fala do Estado brasileiro (sociedade civil e Poder Judiciário) quanto à aceitação ou intervenção diante dos sentidos criminológicos dos eventos racistas. Isto é, a atitude que reitera/chancela, ou que combate/impede o crime de racismo. 

Vamos ao Piquet. Não quero perder tanto tempo de vocês com o caso em si. Resumo: o brasileiro e ex-campeão de Fórmula 1, numa entrevista ao jornalista Ricardo Oliveira em 2021 (em vídeo que vazou somente agora para a imprensa), chama o piloto inglês, Lewis Hamilton, de “neguinho”[1] em tom pejorativo. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Embora tenha vindo a público se desculpar alguns dias depois e dizer que não usava o termo de forma ofensiva, nada na fala original justifica o uso da forma coloquial a fluir como uma conversa “natural”, como explica o ex-campeão brasileiro[2]. E mesmo que o fizesse, vivemos em outro tempo em que há necessidade emergente de se romper com expressões que remetem a um passado trágico na história da humanidade em cujas sequelas da escravidão em ordem global afeta sobremaneira – e miseravelmente – tanto as populações atuais do continente africano, como as populações negras nascidas (ou exiladas, ou refugiadas) em todas as nações que as escravizaram. Trata-se, doravante, de não “inocentalizar” expressões e ressignificar os sentidos. 

Portanto, não há justificativas que justifiquem um cara tão famoso (como o Piquet) e sabedor das formas de se comunicar a produzir os sentidos (semiologia) intencionais que ele queira. 

Para piorar a situação e demonstrar a hipocrisia, a crueldade e os crimes (sim, ele comete crime de racismo previsto na Constituição e nas legislações brasileiras), Piquet reitera em novo vídeo os preconceitos e o racismo do ano passado. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na película divulgada pelo sítio “Grande Prêmio”[3] no dia 30 de junho de 2022, Piquet responde a uma pergunta de Oliveira na mesma entrevista (que tem chegado para o público por pedaços, podendo conter ainda mais crimes). Assim diz Piquet: “O Keke [Rosberg]? Era um bosta, não tinha valor nenhum”. E na sequência da resposta, fala do filho de Keke, Nico Rosberg, que venceu Hamilton em 2016 afirmando que o piloto inglês perdera o campeonato somente porque esse “neguinho devia estar dando mais c* naquela época, aí tava meio ruim”. Ou seja, nas palavras de Piquet, Hamilton é melhor piloto que Nico, mas estaria sem foco. É o que compreendemos de seu dizer ao usar estes termos homofóbico e racista. 

Isto posto, gostaria de passar um recado (espero que não fique somente na comunicação) ao Nelson Piquet: as leis do Brasil também existem para você. Então anote aí, seu racista: i) Constituição Federal, em seu Art. 5º, qual seja, inciso “XLII - a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei”; ii) Lei nº 7.716/1989, in verbis: “Art. 20. Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. (…) Pena: reclusão de um a três anos e multa”, podendo ser agravada para 5 anos de reclusão se o crime for praticado a partir de meios de comunicação (ver § 2º deste caput). 

Há inúmeros outros diplomas que denotam o repúdio e a tipificação do crime de racismo. Seus advogados, Piquet, saberão traduzir a você na hora de te defenderem perante um Tribunal, pois tenho a esperança que este texto possa impulsionar alguns movimentos jurídicos e sociais a impetrarem uma Ação Judicial à altura do seu racismo que não apenas é a reiteração da crueldade histórica dos crimes da escravidão brasileira, todavia, dada a importância dos seus títulos como esportista brasileiro, funcionam como uma ressonância sem precedentes ao estímulo para a prática de racismo reiterado na sociedade brasileira. 

Ou seja: a impunidade e o silêncio – ou ignorar ações – frente aos crimes de Nelson Piquet opera na contra lógica do enfrentamento do racismo e possui uma carga semiológica (produz sentidos) para que o vírus dos preconceitos que habita em cada um de nós, mais elevado ainda à milésima potência nos fascistas de plantão, atue a retroagirmos cinco séculos de maus-tratos ao povo negro deste País.

………………………...

[1] Fala 1 do Piquet, recuperada da entrevista de 2021: “O neguinho meteu o carro e não deixou (Verstappen desviar). O neguinho deixou o carro porque não tinha como passar dois carros naquela curva. Ele fez de sacanagem. A sorte dele foi que só o outro se f*deu. Fez uma p*ta sacanagem”.

É possível encontrar o texto original em todos os sítios de notícias.

[3] Palavras do Piquet, ao se desculpar: “foi mal pensado, e não vou me defender disso, mas quero esclarecer que o termo é ampla e historicamente usado de forma coloquial na língua portuguesa como sinônimo de 'pessoa' ou 'cara', e não foi usado com intenção de ofender”.

Se fazemos exercício simplório de Análise do Discurso, vemos de partida duas coisas relevantes: i) como o cara pede desculpas e diz que “não vou me defender disso”? Não há arrependimento sincero, nem vontade de se retratar; e ii) ao menos numa coisa Piquet está certo – ao inverso – ao trazer o evento “historicamente”. Ou seja, é exatamente o evento histórico a tragédia chanceladora, seja nos discursos coloquiais das pessoas, seja nos discursos institucionais do Estado, seja nos discursos legais e jurídicos produtores ou sequestradores de Direitos, da naturalização do racismo.

A verdade é que ele fingiu pedir desculpas porque corre o risco de perder dinheiro e influência dentro do automobilismo, pois a fala de Piquet foi condenada pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA), pela Fórmula 1, por várias equipes e pilotos, além de patrocinadores e toda a sociedade.

[3] Sobre a fala 2 do Piquet nesta mesma entrevista, e recuperada ontem (30), veja por meio do link: https://www.youtube.com/watch?v=jxXH4m38e30 .

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email