Até janeiro, todo cuidado é pouco com o bolsonarismo

O bolsonarismo ainda está nas ruas orando, “jejuando” e tramando contra a Democracia

www.brasil247.com - Bolsonaristas protestam em Curitiba. 1/11/2022
Bolsonaristas protestam em Curitiba. 1/11/2022 (Foto: Rodolfo Buhrer/Reuters)


Por Gilvandro Filho, para o 247

Quem quiser que se iluda, mas está vivo e se mexendo o perigo de uma insurreição radical e antidemocrática contra o resultado legítimo das urnas que fez de Lula o novo presidente do Brasil. O bolsonarismo ainda está nas ruas orando, “jejuando” e tramando contra a Democracia. Os caminhoneiros bolsonaristas ainda bloqueiam estradas e põem em risco grande número de brasileiros, inclusive, crianças, e a normalidade da produção nacional.

A Polícia Rodoviária Federal continua a fechar os olhos às barbaridades praticadas pelo gado que usurpou o verde e o amarelo. O diretor-geral da instituição continua sem dar explicações sobre o seu comportamento irresponsável e ilegal. Se nada de extraordinariamente ruim acontecer com o Brasil, a farra deste militante travestido de servidor público acaba no dia 1 de janeiro, quando ele passará a responder à Justiça. Mas, daqui pra lá…

Nada de efetivo aconteceu com uma deputada que, na véspera da eleição do 2º turno, saiu correndo alucinada pelo centro de São Paulo, de arma na mão, dando ordens de “deita no chão” a um cidadão desarmado. Ela e seu assessor, que chegou a disparar a arma, por pouco não acertando em alguém na avenida superlotada. A parlamentar pistoleira teve sua conta de uma rede social cancelada, de tanto que conspirou contra as instituições. Mas, já deu um jeito e continua tramando por uma conta fake. Está solta e é perigosa.

Figuras manjadas e parlamentares eleitos na esteira do bolsonarismo continuam pregando o ódio e o golpe institucional, mesmo com as eleições encerradas, o resultado proclamado pela Justiça Eleitoral e a transição iniciada entre as equipes do governo atual e do governo eleito. Essas figuras nefastas ainda conclamam as pessoas a tomar as ruas e gritar por intervenção militar, uma possibilidade tão difícil quanto se achar  conteúdo na cabeça da maioria bolsonarista.

Mas, nada disse representaria um perigo real não fosse a conivência de um presidente da República que não aceita a derrota nem se congratula com o seu adversário que venceu a eleição. O silêncio covarde e antidemocrático do ainda chefe de governo funciona como um “taowquêi!” a todo o mal comportamento bolsonarista. Ao ter demorado tanto para se pronunciar, o futuro ex-presidente, em precário exercício do cargo, estimula a barbárie e a conspiração.

Temos ainda cerca de 60 dias para nos livrarmos, de fato e de direito, de um governo infame, irresponsável e potencialmente miliciano e genocida, por trazer nas costas a culpa por quase 700 mil brasileiros e brasileiras vítimas da Covid-19.  Estaremos, em 1 de janeiro de 2023, livres desse umbral em que mergulhamos e voltaremos à Luz e à Esperança, marcas indeléveis da Democracia.

Mas, daqui pra lá, olho vivo e muito cuidado. Estamos lidando com uma malta que despreza e abomina, justamente, essas coisas sagradas que reconquistamos pelo voto. E que, até janeiro, ainda pode aprontar. E muito.

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247