CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Valéria Guerra Reiter avatar

Valéria Guerra Reiter

Escritora, historiadora, atriz, diretora teatral, professora e colunista

387 artigos

blog

Atos, golpes, vil metal e bardos

A maioria dos brasileiros não consegue reagir a toxicidade sistêmica da mentira

Dinheiro
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

“A propaganda é a fraude mais sórdida que o capitalismo já havia produzido”.

“Os consumidores são como animais confinados; e a publicidade é como agitar uma vara dentro do balde da lavagem”. As frases acima foram ditas por Gordon Comstock: um inglês, um poeta (bardo), um homem inteligente, um personagem da obra de George Orwell.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Em Flor da Inglaterra, Eric Arthur Blair, verdadeiro nome do jornalista e escritor G. Orwell também há visão crítica, como fora em Revolução dos Bichos, e 1984.

“Corner Table adora Bovex”, lia um homem, no texto da propaganda escrita na caneca de seu café. Segundo Gordon, ele parecia um rato, isto se deu nos idos de 1930. E aquele “apelo publicitário” causava náuseas ao nosso Gordon. Avesso aos efeitos nefastos do abuso de poder do capitalismo.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

E um vegetal resistente, bem adaptável, a aspidistra, era regada pelos londrinos, cultivada, em uma verdadeira febre, ela sobrevivia em péssimo ar. Orwell, assim como Gordon, trabalhou em uma livraria à época da inspiração para escrever o romance, que em seu nome original Keep The Aspidistra Flying, também foi traduzido como “O vil metal”, porém em outra versão (intencionalmente) adocicada foi traduzida aqui no Brasil, como "Flor da Inglaterra".

Quando Gordon foi trabalhar em uma empresa publicitária; de maneira injusta, lhe deram um cargo medíocre; depois descobriram seus dotes de poeta, e os colegas o apelidaram de “O bardo”. Usando o termo de forma pejorativa, em relação ao seu dom.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

E nós aqui no Brasil com os nossos talentos sufocados pela máquina mortífera da vulgaridade improvisada e improfícua - que vem abarrotando os bolsos dos utilizáveis pelo Mercado do entretenimento, tanto político como cultural - sofremos do mesmo mal que acometeu o pelo senhor Gordon.

Sempre foi assim, só que agora, tal situação virou status quo, e infelizmente as tais ilhas de alienadores sociais se sobrepujam a escritores, professores, donas-de-casa e mecânicos brilhantes, que ficam presos dentro das câmaras da invisibilidade que origina miséria social.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Gordon desafiou o poder do deus-dinheiro, na Londres de 1930.

E a maioria dos brasileiros não consegue reagir a toxicidade sistêmica da mentira, pois há um hipnotismo no ar, que vem transformando nossos filhos e netos em gerações de zumbis no meio da insignificância forçada por um sistema de exclusão, que segrega, e lacra.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Resistir é preciso, revolucionar é preciso. Senão daqui a pouco seremos fuzilados em praça pública, por uma casta monárquica de bobos da corte recrutados pelo pérfido Mercado, que hoje coloca trash no trono dos storytellings fúteis do senso comum e da incoerência. Cheia de ácido na face e silicone na alma.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO