Brincando nos Campos do Senhor

www.brasil247.com - Indígena yanomami e Jair Bolsonaro
Indígena yanomami e Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução | Allan Santos/PR)


O filme “Brincando nos Campos do Senhor” (1991) do diretor brasileiro Hector Babenco conta a história de um casal de missionários americanos que se embrenham na selva amazônica para catequizar os povos originários. Na trama, que é baseada no livro Peter Matthiessen há tudo o que assistimos no último final de semana com a revelação da tragédia que caiu pelos Yanomamis em Rondônia.

Militares corruptos, líderes religiosos maniqueístas, presunçosos e portadores da “verdade” e mercenários que exploram as riquezas da região. É claro, que assim como a realidade do caso dos Yanomamis, os personagens dos filmes por vezes se confundem e se misturam na intenção e consequência dos seus atos. Nem sempre é a defesa da pátria, ou da mensagem do cristianismo que motivam suas presenças na região.

Segundo as notícias do final de semana, somente no mês de janeiro deste ano, 99 crianças morreram em 2022 por conta do garimpo ilegal na região. Estima-se que nos últimos quatro anos foram pelo menos 570 crianças mortas. Resultado da fome, desnutrição e contaminação por mercúrio. As cenas reveladas pela imprensa, assemelham-se a um genocídio. Corpos esqueléticos sem capacidade física de sustentar-se de pé. 

A similaridade entre a arte e a vida neste caso, dá-se a política que o governo Bolsonaro impôs a proteção aos povos tradicionais e dos direitos humanos durante o seu governo. O próprio Jair Bolsonaro em suas diversas declarações públicas sobre o assunto, reverberava as crenças presentes ainda na ditadura militar. De inspiração positivista, a prioridade não era a proteção da cultura e dos povos originários. Mas, a conversão do índio em trabalhador. Um processo considerado “civilizatório” em que índio integrado a cultura urbana e se converte em mão de obra.

Nos corpos frágeis dos indígenas de Rondônia, há as digitais de uma associação entre uma ação ideologicamente guiada para o extermínio com a terceirização de uma política de estado para interesses privados. Seja por conveniência ou ideologia. A proteção dos indígenas era a responsabilidade do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. Liderado por Damares Alves, pastora evangélica e agora senadora. Segundo o Jornal O Globo, durante os últimos quatro anos uma ONG evangélica chamada Missão Caiuá, recebeu do Programa de Proteção e Recuperação da Saúde Indígena R$ 872 milhões. Dizem eles que o lema da organização é “ estar serviço do índio para a glória de Deus. ”  Outro responsável pela situação é o ex-vice-presidente da república e agora também senado Hamilton Mourão. O general da reserva era o coordenador do Conselho Nacional da Amazônia Legal, orgão responsável pela fiscalização e monitoramento da região. 

Perdoem o spoiler, mas assim como no drama revelado no final de semana, o final na obra de Hector Babenco, é o extermínio físico e cultural dos povos originários.  Um preço caro pago pelos verdadeiros donos da Ilha de Vera Cruz. Para estes, o cristianismo por aqui pregado foi uma maldição. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247