Cafajestada e crime de responsabilidade

"Vamos ver se desta vez os donos da mídia vão além dos editoriais. Precisam desmontar o palanquinho das ofensas na porta do Alvorada. Precisam saber se seguem apoiando o governo apenas por causa da agenda de Guedes, ou se entenderam que a economia não pode justificar o obscurantismo", afirma a jornalista Tereza Cruvinel

O presidente Jair Bolsonaro conversa com turistas no Palácio da Alvorada.
O presidente Jair Bolsonaro conversa com turistas no Palácio da Alvorada. (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News

Os ataques machistas de Jair Bolsonaro à jornalista Patricia Campos Mello ultrapassaram o limite da vulgaridade, do desrespeito, da baixaria. Foi uma verdadeira cafajestada, que não só deve ser repudiada por todas as mulheres e por todos os democratas, como também precisa de resposta institucional. Ele violou o inciso 7º do capitulo V da Lei do Impeachment, a Lei 1079/50, que inclui entre os crimes de responsabilidade “proceder de modo incompatível com  a dignidade, a honra e o decoro do cargo” que ocupa. Por isso deputas já se movimentam para pedir seu impeachment, embora ele já tenha dado outros tantos motivos. As deputadas de oposição já se movimentam para apresentar um pedido de impeachment dele.

É verdade que não  há disposição  no Congresso e nas elites econômicas para encarar o impeachment de Bolsonaro, enquanto ele tiver Guedes tocando a agenda neoliberal. Mesmo assim, é importante que o pedido seja apresentado, explicitando que temos na presidência um violador das leis. É preciso sacudir a sociedade letárgica para o lugar aonde estamos chegando.

E depois, Bolsonaro cometeu também crimes comuns: assédio sexual (quando debochou) e assédio moral (quando tentou desmoralizar), sexismo e tentativa de cerceamento da liberdade de imprensa pela intimidação moral, além de calúnia e dimafação.

PUBLICIDADE

Ou Patrícia ou a Folha de S. Paulo devem entrar com ação por crime comum. E neste caso, para instaurar inquérito e processo, o STF terá que pedir licença à Câmara, como fez no caso de denuncias contra Temer por corrupção e obstrução da Justiça, a partir da conversa com o dono da JBS. Comprou votos e escapou.  Bolsonaro precisa ter um encontro com a lei. Não está acima dela.

Certo é que tamanha cafajestada não pode ficar sem resposta, para além da nossa inteira solidariedade a Patricia, como mulher e como jornalista.  E vamos ver se desta vez os donos da mídia vão além dos editoriais. Precisam desmontar o palanquinho das ofensas na porta do Alvorada. Precisam saber se seguem apoiando o governo apenas por causa da agenda de Guedes, ou se entenderam que a economia não pode justificar o obscurantismo.

PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email