Derrotar a regressão reacionária

A pantomima convocada pelo inominável para o dia 7/9 é a coroação da tentativa golpista e farsesca que assombra a nacionalidade brasileira desde sempre

(Foto: Reprodução)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Alberto Cantalice 

A pantomima convocada pelo inominável, atual ocupante do Palácio do Planalto para o dia 07 de setembro, nos 200 anos da independência em Copacabana, é a coroação da tentativa golpista e farsesca que assombra a nacionalidade brasileira desde sempre. Mais uma vez, tal qual cão de guarda dos interesses inconfessáveis, usa-se as Forças armadas como objeto de decoração do cenário burlesco. Não bastasse o vexame protagonizado pelos fardados no questionamento da urna eletrônica, tudo para satisfazer o detentor dos cargos e benesses, ora instalado em Brasília; resolveu o capitão colocá-los para marchar às margens da Praia. 

continua após o anúncio

Bolsonaro usa a máquina pública mirando a reeleição desde o primeiro dia de mandato. É talvez a campanha eleitoral mais antecipada da terra. Tudo isso ao arrepio da lei e a inércia da Procuradoria Geral da República que de guardiã da legislação e fiscal da sociedade, transformou-se em “puxadinho” do Poder Executivo.  

Estimulador do ódio, do preconceito, do fundamentalismo e da mentira o presidente é o responsável direto pela violência e seu espectro que paira sobre os brasileiros e faz surgir o que de pior exala do humano: a sociopatia, a psicopatia e o ressentimento. 

continua após o anúncio

Hordas de celerados despontam nas redes sociais e nas ruas ameaçando a integridade física da sociedade e afrontando os poderes constituídos. Esse cenário sombrio não pode ser minimizado. Trata-se de descredibilizar a institucionalidade, seus agentes e criar um “caldo de cultura” do caos social e de anomia forçando com isso a intervenção das polícias gestando um ambiente incontrolável. 

A manifestação da sociedade civil e a representatividade conquistada pela carta aos brasileiros a ser lida nas arcadas da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, em São Paulo é o início da reação. Mas não basta. 

continua após o anúncio

A derrota do projeto de milicianização do Estado brasileiro tem que se dar já no primeiro turno das eleições vindouras. Não pode a sociedade brasileira assistir impassível as tentativas recorrentes de “melar” o processo eleitoral brasileiro e criar um estresse profundo e de difícil resolução em futuro breve. 

A democracia brasileira já sofreu um abalo forte com a deposição golpista de Dilma Rousseff, a prisão injusta de Lula e a eleição do controvertido herdeiro do golpe civil militar de 1964, na “escolha difícil” de 2018 protagonizada pela mídia empresarial. Sua hoje improvável reeleição seria o fio condutor da regressão reacionária da vida nacional. Regressão cuja raízes históricas remontam à Proclamação da República, o Estado Novo, o suicídio de Vargas e o já mencionado 64. Tudo isso contando com o auxílio luxuoso da Forças Armadas como guardiã dos interesses oligárquicos. Sempre lembrando que o “tuíte” do general Villas Boas foi a senha para a garantia das movimentações lavajateiras e suas ilegalidades. 

continua após o anúncio

As movimentações de Lula e Geraldo Alckmim com a consequente ampliação de seu leque de apoios pode e deve ser o epicentro da derrota da urdidura reacionária ensaiada por Bolsonaro e seus aloprados. Se exitosa, será o início da retomada democrática no Brasil. A reação direitista colocou o país à beira do precipício, cabe às forças democráticas resgatá-lo. A hora é agora! 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247