Desmatamento pode derrubar a “copa” do governo

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O desmatamento pode derrubar a “copa” do governo, a “ramagem” superior do poder central porque, convenhamos, “As queimadas da vegetação na Amazônia, no Pantanal e em outras regiões do Brasil são criminosas, ferem a Constituição Brasileira e as leis internacionais do meio ambiente. Isso todos já sabemos e estamos cansados de não ver alguma medida eficaz para brecar os desmandos do governo federal nessa área.” [1]. 


Essas queimadas são uma parte dessa trágica história brasileira no capítulo do desrespeito aos direitos ambientais e humanos. A maldade dessa gente do governo é tão grande que, se não ficarmos atentos e bovinamente deixarmos a coisa correr solta, eles são capazes de destruir até o ciclo hidrológico. 


O ciclo hidrológico, ou o ciclo das águas, descreve o movimento das águas na nossa Terra que não é plana, como insistem alguns negacionistas de plantão. A trajetória das águas na crosta terrestre é bastante complexa e modificadora. “Por onde a água passa produz modificações. Pode dissolver os minerais das rochas e arrastar seus componentes bem distantes para a deposição. Pode formar rios, lagos e oceanos, acumulando um volume considerável de espécies aquáticas. Pode tanto recarregar os aquíferos como transbordar em áreas de inundação e causar prejuízos econômicos em áreas urbanas.” [2].


No que diz respeito à saúde pública, o Brasil de hoje apresenta a triste marca de 419 mortes por causa do coranavírus. São vidas que se foram e não voltam mais para o lar dos seus entes queridos. “A restauração de uma vida perdida não existe. A dor e a saudade para os que ficam são incomensuráveis. Não é possível repor outra vida no lugar daquela que se foi. Ou será que para essa gente do governo Bolsonaro, existe a integral e a completa reparação de uma vida perdida, como se ela fosse entendida e comparada com a restauração de um automóvel antigo?” [3].

Nesse sentido, entende-se que para que a nossa vida seja preservada, temos três caminhos pela frente para dar um basta definitivo nessa proto-ditadura, instalada a partir do início de 2019: 1) cassação da chapa militar-presidencial eleita pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), 2) impeachment dessa mesma chapa militar-presidencial pelo Congresso Nacional e 3) condenação dos membros do governo ao término das investigações da “CPI do Genocídio” que está em curso no Senado Federal. Ressalta-se que esses três caminhos são convergentes e podem nos apontar para uma esperança no horizonte desse nosso triste país. 

Mas, mesmo assim, não podemos esquecer que “e daí?”, “não sou coveiro” e “gripezinha”, não são frases com palavras soltas ditas ao léu pelo ex-capitão do exército brasileiro e atual presidente da república. Foram colocações muito bem pensadas, articuladas e proferidas num ambiente de aparente improviso, diante de seus seguidores fanáticos nos “cercadinhos”, mas que cada dia se renovam e continuam ameaçadoras. Por isso é que nesse cenário dantesco, com a “CPI do Genocídio” em andamento e sistematizando dados com depoimentos comprometedores, tudo indica que outros movimentos reacionários virão e vão tirando a “camuflagem” desse governo autoritário. 

Um desses movimentos, por exemplo, é esse que vem através de um papinho mola, covarde, enganador de trouxas, dizendo que o tal do “especialista em logística” tem que ir depor na “CPI do Genocídio” de terno e não de farda. Como assim, cara pálida? Será que ninguém sabe que o “ministro 03” da Saúde é general da ativa do exército brasileiro e tanto faz o traje que vestirá no dia de seu depoimento, seja esse traje um terno ou uma farda. Parece que esse pessoal esgotou seu “patriotismo” e sua criatividade. “Assim oxalá, no futuro, nossos tataranetos poderão viver em um país sem militares no poder, porque é questionável a utilidade das forças armadas no dia a dia do nosso povo e uma faixa nas ruas com os dizeres “Abaixo a estátua de Duque de Caxias” pode ser um primeiro passo, como um incentivo simbólico, para as próximas manifestações.” [4].
“O futuro dependerá daquilo que fazemos no presente.” (Mahatma Gandhi).

Fontes 

[1] https://www.brasil247.com/blog/a-queimada-e-nossa

[2] http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/593968-por-onde-a-agua-passa

[3] http://cacamedeirosfilho.blogspot.com/2020/08/valoracao-da-vida.html

[4] https://blogdogersonnogueira.com/2020/06/15/matando-pela-democracia/

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email