CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Maria Luiza Franco Busse avatar

Maria Luiza Franco Busse

Jornalista há 47 anos e Semiologa. Professora Universitária aposentada. Graduada em História, Mestre e Doutora em Semiologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, com dissertação sobre texto jornalístico e tese sobre a China. Pós-doutora em Comunicação e Cultura, também pela UFRJ,com trabalho sobre comunicação e política na China

42 artigos

blog

Dessa vez é

André Mendonça (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Durante muito tempo se atribuiu a alguma doença psíquica os modos pessoais e o comportamento político do nazista que ocupa do Palácio do Planalto. Injustiça com as doenças desse campo, mas, talvez, a explicação mais simples para o absurdo que se apresentava despudorado, pornográfico. Ou, ainda, escape possível para olhar de frente o nazifascismo explícito, recusado até mesmo pelos que conheciam o fenômeno por meio e dedicação aos estudos sérios sobre o assunto ou vivência do fato.

Entretanto, dessa vez um acontecimento recente justifica a percepção de que há algo para além do que transita na esfera comum do considerado normal. No encontro que comemorou a aprovação do nome do ‘terrivelmente evangélico’ para assumir uma das onze cadeiras do Supremo Tribunal Federal, instância máxima do judiciário nacional, um elemento da família que preside a república militarizada do Templo de Salomão protagonizou a manifestação do distúrbio psicopatológico da Glossolalia.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Seguido ao instante em que a TV anunciou o placar de 47 votos a favor da nomeação pelo Senado, com 32 contra, uma fala embolada tomou conta do recinto completo por mulheres e homens de terno, todas e todos irmãos e irmãs unidos na igreja que tem por missão declarada ver o Reino de Deus estabelecido em toda a terra. Saltitando em fervor religioso, a mulher expressou-se na língua desconhecida tida de origem divina.

Glossolalia é um fenômeno de psiquiatria e de estudos da linguagem, em geral ligado a situações de fervor religioso, em que o indivíduo crê expressar-se em uma língua desconhecida, por ele tida como de origem divina. O verbete do dicionário Aurélio assim define Glossolalia: “fenômeno que pode ocorrer em situação de exaltação religiosa, caracterizado pelo comportamento de certos indivíduos que começam, espontaneamente, a falar línguas desconhecidas, tidas como frutos de dom divino, mas que, geralmente, são línguas inexistentes” Na psiquiatria, a glossolalia é identificada como um distúrbio de linguagem observado em certos doentes mentais que creem inventar uma linguagem nova constituída por neologismos e por uma sintaxe deformada.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Nada disso teria importância se a glossolalia não estivesse penetrando nas instituições públicas até então organizadas para servir ao funcionamento do Estado laico, que fala a língua conhecida por todas e todos, cidadãos e cidadãs que formam o conjunto da sociedade. A glossolalia só se dirige e se comunica com que possui o dom divino de compreende-la. No mais, é silêncio.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO