Era uma vez Copacabana

E para os eleitores da situação atual brasileira, que vêem no seu adorador de Trump, um líder “messiânico”, não enxergam que ser capacho dos Estados Unidos, não traz moral para ninguém, nem para eles. É muita humilhação, bater continência para a bandeira americana, gente, isso me dá nojo, isso é muito sério

Rio e SP são os destinos preferidos dos brasileiros para o verão, diz pesquisa
Rio e SP são os destinos preferidos dos brasileiros para o verão, diz pesquisa
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Um dia um presidente do Brasil recebeu o presidente do Irã, Ahmadinejad.

E foi a primeira vez na hitória dos dois países.

Quem foi?

Lula.

Não valeu a chiadeira internacional, de Obama, que inclusive levou uma cotovelada do Brasil, mas Lula, visionário, pois queria aumentar o diálogo entre os líderes do Oriente Médio, não ouviu a cúpula ocidental.

Havia recebido semanas antes, o primeiro ministro de Israel, Shimon Peres e o presidente da Palestina, Mahmoud Abbas.

Ele sempre teve muita moral.

E para os eleitores da situação atual brasileira, que vêem no seu adorador de Trump, um líder “messiânico”, não enxergam que ser capacho dos Estados Unidos, não traz moral para ninguém, nem para eles.

É muita humilhação, bater continência para a bandeira americana, gente, isso me dá nojo, isso é muito sério.

Nem temos como combater as possíveis retaliações?

Já imaginaram se de repente os caras mandam uma bomba para Copacabana?

O americano vai apenas deixar de usufruir a praia, nem eles poderão fazer nada.

Prestarão solidariedade, o direitos humanos gritarão, e o Brasil, um país pacífico…até quando seremos pacíficos?

De fato isso é muito sério sabe, as calças já estão arriadas para o Trump, agora idiotices, mexendo em casa de maribondo, mesmo não sendo diplomático, mas, custava ficar “calado”, companheiro?

Gente, isso é muito sério, é sério o que estou falando.

Agora é torcermos para não sofrermos retaliações de grupos terroristas, o Brasil é muito vulnerável, não tem nem a cara dos generais que ladearam Trump no pronunciamento, eu assisti, estava sentado na cadeira do dentista, mas não me deixei ser fotografado, nem joguei nas redes sociais.

Se cagamos dia sim dia não (quanta pérola), agora teremos que ouvir cagadas e ver cagadas todos os dias…de quem?

Acho que fui muito claro.

Adonai!!!

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247