EUA treinam milícias de extrema-direita para desestabilizar governo chinês

Por trás da suposta defesa da etnia turcomena e muçulmana uigur na China, os Estados Unidos estão promovendo uma campanha para derrubar o governo chinês, treinando e financiando milícias fascistas ao redor do mundo

www.brasil247.com - Uigures e norte-americanos em Washington DC em 21 de junho de 2020, para "agradecer" ao Congresso e à Casa Branca a aprovação da Lei de Direitos Humanos Uigur
Uigures e norte-americanos em Washington DC em 21 de junho de 2020, para "agradecer" ao Congresso e à Casa Branca a aprovação da Lei de Direitos Humanos Uigur (Foto: Reprodução)


por Juca Simonard

Sempre que a imprensa capitalista divulga algum movimento aparentemente democrático ou popular, deve-se desconfiar de seu conteúdo. Nos últimos meses, diversas reportagens foram publicadas nos maiores jornais do mundo para denunciar uma suposta repressão do governo da China contra as minorias uigures no país. Não bastou muito tempo para que os interesses do imperialismo com a propaganda fossem desmascarados.

Reportagem de Ajit Singh, no portal de notícias independente The Grayzone, denuncia que os supostos “ativistas por direitos humanos” uigures adorados pela imprensa imperialista são, na verdade, milicianos fascistas ligados ao Estados Unidos e que treinam com ex-militares de forças especiais norte-americanas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No mês passado, os grandes jornais norte-americanos divulgaram uma caravana pelos direitos dos uigures nos EUA, na qual os ativistas insultavam o governo chinês e exigiam a independência do "Turquestão do Leste”. Entre outras coisas, além de bandeiras em adoração aos EUA e pedidos de intervenção do governo norte-americano na potência asiática, exigia-se um boicote internacional à China.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A caravana foi organizada pela Associação Americana de Uigures (UAA, na silga em inglês), que divulgou a ideia de um suposto genocídio do governo chinês contra a etnia turcomena e muçulmana. A China é acusada de estabelecer campos de contração com trabalhos forçados numa política deliberadamente racista. Em nota de abril de 2020, a associação exige uma pressão internacional contra China e defendem os EUA, onde, ao contrário do outro país, seus “direitos a vida, liberdade e busca da felicidade” estariam sendo respeitados.

Fascistas armados e treinados por norte-americanos

No entanto, “uma investigação do The Grayzone sobre o movimento separatista uigure, na área de Washington DC, revelou uma subcultura fanática por armas obcecada pelo tipo de ideologia de direita que estava em exibição durante a caravana de 21 de março pelo centro da cidade”.

Segundo a reportagem, a UAA tem um clube de tiro chamado Altay Defense, no qual os membros são treinados por antigos oficiais militares dos EUA, “que também treinam mercenários particulares e membros do serviço ativo dos EUA”. Ainda, segundo a reportagem, os integrantes do clube de tiro são defensores do ex-presidente Donald Trump, de extrema-direita, e de sua política contra a imigração.

Em sua página no Instagram, o clube de tiro afirma que “todo o treinamento de segurança é fornecido por ex-oficiais das forças especiais”.

A reportagem informa que o clube Altay Defense “recebe instruções de James Lang, um ex-Ranger do Exército dos EUA que serviu no Afeganistão e no Iraque e trabalha como instrutor de armas de fogo para o Departamento de Defesa dos EUA”. 

“Lang também opera a Ridgeline Security Consultants, que fornece armas de fogo e treinamento tático para ‘preparar policiais e profissionais de segurança armados [...] para sobreviver e vencer confrontos mortais’”, ressalta.

Ligações com a extrema-direita norte-americana

Em outro artigo, o jornalista Ajit Singh mostrou que a UAA é filial norte-americana do Congresso Mundial Uigur, fundado pelos Estados Unidos para coordenar uma rede internacional de separatistas para desestabilizar a China e derrubar o governo chinês.

Recebendo milhões de dólares de financiamento do National Endowment for Democracy (NED), uma entidade patrocinada pelo governo dos EUA, essa rede trabalha em estreita colaboração com Washington e outros governos ocidentais para intensificar as hostilidades com a China”, afirma Singh.

“Nos últimos anos, o WUC trabalhou em estreita colaboração com os governos dos EUA e do Ocidente, e fez parceria com pseudo-estudantes propensos a fraudes, como Adrian Zenz, para intensificar sua Nova Guerra Fria contra a China, defendendo que a política chinesa em Xinjiang fosse rotulada de 'genocídio' junto com sanções e boicote”, argumenta.

O jornalista lembra ainda que, apesar de se dizer defensores da minoria muçulmana na China, os membros da associação são aliados a forças da extrema-direita anti-muçulmana em Washington. Entre os listados pela reportagem, estão o senador republicano Ted Yoho, os fundamentalistas cristãos do Family Research Council e o FBI.

Yoho é um senador reacionário com políticas contra o aborto e que já afirmou que não sabia se a Lei dos Direitos Civis de 1964 era constiucional. A lei acabou com a segregação racial no país. O republicano também é um ferrenho defensor da invasão norte-americana na Síria e na Venezuela, e declarou que os “EUA deveriam defender Taiwan da China”.

A UAA também divulgou a Covid-19 como “vírus chinês” endossando a campanha do ex-presidente Trump e do atual presidente Joe Biden, que recentemente mobilizou os grandes jornais norte-americanos para culpar a China pela pandemia.

O atual presidente da organização, Kuzzat Altay, é um ferrenho e fanático defensor dos EUA. Nas redes sociais, em janeiro de 2020, ele comemorou o assassinato do general iraniano Qasem Soleimani. Kuzzat publicou imagem da águia com a bandeira dos EUA (símbolo do imperialismo norte-americano) com a legenda: “Parece que a guerra acabou de começar. Eu não pertenço a nenhum partido. Eu pertenço à América! Em Deus nós confiamos! É hora de se unir!”

Em outra publicação, no Dia dos Veteranos, em 2019, ele publicou imagem da bandeira norte-americana com a legenda: “Nossas estrelas estão sempre no céu. A liberdade que temos não veio de graça.Que Deus abençoe vocês, veteranos americanos! Que Deus abençoe a América! Em Deus nós confiamos!”.

O presidente da UAA também chamou manifestantes que saíram às ruas contra o assassinato do negro George Floyd pela polícia norte-americana de “saqueadores, ladrões e criminosos”. 

Ainda, defendeu os ataques do imperialismo contra empresas chinesas, afirmando que todos os países deveriam tratar os chefes da Huawei, que tem superado as empresas norte-americanas em alguns avanços tecnológicos, como “criminosos de guerra”. Entre outras coisas.

Ademais, Altay tem como aliado o veterano da NED (que patrocina o movimento uigur) Murat Ataman, que, segundo fotos nas redes sociais, participa do clube de tiro da UAA. Ataman trabalha para o serviço militar e de inteligência dos EUA, General Dynamics, e já ocupou cargos no Departamento de Defesa, Departamento de Segurança Interna e Departamento de Assuntos de Veteranos.

Trump e Biden
Trump e Biden(Photo: Reuters)Reuters

Nova ofensiva contra a China

Todas estas questões, resumidas aqui, mas amplamente divulgadas pela reportagem de Ajit Singh, no portal The Grayzone, mostram a amplitude da ofensiva dos Estados Unidos contra a China. Durante o governo Trump, ampliou-se as sanções econômicas e os ataques ao país asiático.

Numa ofensiva contra as empresas chinesas, ao estilo da Lava Jato, formou-se uma rede internacional de boicote ao 5G da Huawei, e, no Canadá, uma das chefes da empresa, Meng Wanzhou, foi presa em 2018.

O governo Biden, ao contrário do que esperavam os que foram ludibriados pela campanha contra Trump, buscou reforçar a ofensiva. O governo democrata anunciou, no dia 23 de março, sanções contra funcionários do governo chinês por causa dos “contínuos abusos dos direitos humanos” contra a minoria uigur da população do país.

O Departamento do Tesouro dos EUA disse que dois funcionários do governo chinês estão "ligados a graves abusos dos direitos humanos contra minorias étnicas em Xinjiang, que supostamente incluem detenção arbitrária e abusos físicos graves, entre outros abusos graves dos direitos humanos contra uigures, uma população turca muçulmana nativa de Xinjiang, e outras minorias na região".

Em março, ocorreu em Anchorage, no Alasca, a primeira reunião oficial entre o novo governo norte-americano e a China. Na reunião, Secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, pressionou os chineses sobre Hong Kong e Taiwan, onde o imperialismo impulsiona um campanha “pela democracia” contra o governo chinês; e sobre a província de Xinjiang, onde os EUA acusam a China de estar promovendo um genocídio contra a etnia uigur; entre outras coisas, como a parceria econômica entre a potência asiática com Irã e Coreia do Nortes, dois outros países inimigos do imperialismo.

No final do mês, diante das “tensões” registradas na reunião, Biden afirmou que convocará “aliança de democracias” contra a China, segundo o Valor Econômico.

Além disso, os grandes jornais norte-americanos tiraram as últimas semanas para culpar a China pela pandemia da Covid-19, afirmando que o vírus surgiu num laboratório chinês, em Wuhan.

Os dados mostram um acirramento do enfrentamento entre EUA e China, cuja principal expressão atualmente se dá em Mianmar, onde os militares - historicamente ligados à China - deram um golpe contra um setor do governo ligado ao imperialismo norte-americano, representado por Aung San Suu Kyi. O golpe parece ser uma retratação da China aos ataques do imperialismo, que está promovendo protestos para derrubar o novo regime.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email