CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Roberto Moraes avatar

Roberto Moraes

Engenheiro e professor titular "sênior" do IFF (ex-CEFET-Campos, RJ)

123 artigos

blog

Governo militar usa Infraestrutura cibernética para manutenção do projeto de poder

"A sociedade precisa de vacina em defesa da 'Democracia' e 'Soberania' popular", escreve Roberto Moraes

(Foto: Agência Brasil)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Por Roberto Moraes 

Em 2018 a sociedade quase não identificou a presença dos militares nas redes sociais e na eleição de Bolsonaro. As redes eram coisa do filho Carlos. A pressão pelo impedimento de Lula concorrer e ser preso foi atribuído só ao twitt do gal. Vilas Boas. Não se percebia até então, o papel do CDC Exército. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O Centro de Defesa Cibernética (CDC) do Exército teve seu orçamento multiplicado 5X ainda em 2019, por Bolsonaro. Assim, se passou a desconfiar que o segredo/agradecimento do PR a Villas Boas na posse de que iria levar para o túmulo, ia bem além do twitt. 

Desde 2019, mais de 7 mil militares foram para o governo. E paulatinamente, passamos a saber que: a) 1- O CDC opera uma rede paralela de internet que se cruza à que nós mortais (paisanos) usamos; b) O CDC passou a operar em conjunto c/ GSI e em busca de softs espiões e desconfia-se que também em impulsionamentos de perfis políticos de direita e de autoridades e políticos do governo militar.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O GSI e o CDC operam de forma sigilosa protegidos por lei. Em termos eleitorais, não é preciso atingir 100% dos eleitores. Pacotes de publicidade direcionada das Big Techs, podem facilmente separar, entre os que usam as redes sociais, os 43% de Lula e os 30% de Bolsonaro. Sobra no foco restante, cerca de 1/4, se tanto. 

Filtrando ainda mais, é só "buscar" quem no 2º turno de 2018 votou Bolsonaro e que agora está voltando para Lula ou ainda está em dúvida. Aí se chega a essa franja de uns 15% que está no limite entre uma e outra opção. Com espionagem contra coordenação de campanha do adversário se pode chegar ainda mais perto do perfil desejado. Ao juntar e recuperar essas pontas do novelo se chega a parte da estratégia para a batalha cibernética de 2022. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Além de atuar em duas direções: espionagens e impulsionamentos, essa articulação das autoridades militares de instituições governamentais protegida por sigilo, os generais buscam alcançar votos para seu candidato dos generais. Se estes continuarem insuficientes, continuarão a desacreditar as urnas, o TSE e o STF para tentar anular vitória oposicionista representada por Lula. 

Esse processo está em curso. Por um lado, não é interessante divulgar esse tipo de análise, porque vai na linha de uma das 3 estratégias eleitorais dos generais de ameaçar e amedrontar parte da sociedade deixando no ar uma sensação de risco de caos e necessidade de ordem. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Porém, de outro lado, a sociedade precisa de vacina em defesa da "Democracia" e "Soberania" popular.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO