Haddad na frente – e o fracasso de Doria em São Paulo

"Sim, Lula transfere votos para Haddad na disputa estadual, mas o ex-ministro da Educação mostra brilho próprio", escreve o jornalista Rodrigo Vianna

www.brasil247.com - Fernando Haddad e João Doria
Fernando Haddad e João Doria (Foto: Agência Brasil)


Por Rodrigo Vianna

Dois fatos chamam atenção na pesquisa IPESPE divulgada nesta sexta (18/02), ouvindo apenas eleitores do estado de São Paulo:

- Fernando Haddad (PT) amplia o favoritismo, nos cenários hoje muito prováveis em que Alckmin não entra na disputa estadual;

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- João Dória (PSDB) enfrenta obstáculos quase irreversíveis para recuperar sua imagem, e isso pode colocar em xeque também as pretensões do neotucano Rodrigo Garcia na disputa pelo governo paulista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A situação de Haddad está mais clara: tem bom currículo (prefeito, ministro, candidato a presidente), formação sólida e apoio de um cabo eleitoral decisivo - Lula.

O ex-presidente aparece hoje à frente de Bolsonaro nas preferências do eleitor paulista (34% a 26%, no primeiro turno, aponta o IPESPE). Dória vive situação trágica, com apenas 5% de intenções de voto para presidente no estado que governa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sim, Lula transfere votos para Haddad na disputa estadual, mas o ex-ministro da Educação mostra brilho próprio já que aparece até mais bem colocado para governador do que o próprio Lula para presidente.

Quando o instituto, na pesquisa estimulada, apresenta os candidatos ao governo de São Paulo acompanhados de seus respectivos apoiadores, a situação no primeiro turno fica assim:

LISTA 5/IPESPE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Haddad, apoiado por Lula e Alckmin - 38% 

Tarcísio, apoiado por Jair Bolsonaro - 25%

Rodrigo Garcia, apoiado por Dória - 10%

Mesmo quando saem os nomes dos apoiadores (e apesar da dispersão de candidatos à esquerda), Haddad mostra força:

LISTA 2/IPESPE 

Haddad - 28%

França - 18%  

Boulos - 11%

Tarcísio -10%

Garcia - 5%


A pesquisa aumenta as pressões para que Boulos e especialmente França/PSB apoiem Haddad já no primeiro turno. 

Importante observar: Haddad tem rejeição de 52%, que precisa ser reduzida para evitar uma virada num possível segundo turno contra o bolsonarista Tarcísio (menos conhecido e menos rejeitado que o petista em São Paulo). Esse, aliás, é o argumento que resta a Márcio França (PSB) para justificar sua candidatura: tem menos votos, mas tem menos rejeição que Haddad.

De todo jeito, nunca um candidato do PT esteve tão bem posicionado para uma eleição ao governo de São Paulo. Isso é fato.

Outro fato: nunca um governador do PSDB viveu situação tão humilhante.

João Dória, e isso é o mais surpreendente, tem um governo menos rejeitado pelos paulistas do que a gestão federal de Bolsonaro:   

Dória - 24% de ótimo/bom, 38% de regular, 36% de ruim/péssimo.

Bolsonaro - 24% de ótimo/bom, 19% de regular e 56% de ruim/péssimo.

A gestão do tucano, aponta o IPESPE, é bem avaliada na gestão da pandemia (o que é justo, já que Dória teve comportamento responsável no tema das vacinas).

Dória, e aqui arrisco uma hipótese, parece padecer do mesmo mal que Marta no passado. A então prefeita de São Paulo fazia uma gestão bem avaliada nas periferias, mas foi derrotada na reeleição em 2004 por causa de sua imagem pessoal - que muitos associavam à arrogância e prepotência.

O tucano não faz um governo tão mal avaliado, a ponto de explicar os parcos índices de voto - dele e de Rodrigo Garcia. Parece ter colado em Dória a imagem de individualista (joga sozinho na política, sem levar em conta as lealdades partidárias) e traidor.

Primeiro, traiu o eleitor e abandonou a Prefeitura antes da hora; depois, traiu Alckmin para embarcar no Bolsodória de 2018; por fim, traiu Bolsonaro para construir sua candidatura.

A derrota tucana em São Paulo parece certa. A dúvida é se o PT conquistará o governo paulista pela primeira vez desde sua fundação, ou se o bolsonarista Tarcísio poderá ser o herdeiro do velho conservadorismo paulista de Ademar/Janio/Maluf: essa cadeira está vaga.   

A popularidade de Lula ajuda Haddad. Mas o ex-ministro petista terá que se mostrar confiável ao eleitor, especialmente no interior do Estado, tantas vezes refratário aos progressistas. França e Alckmin podem ter papel fundamental nesse movimento, no segundo turno paulista.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email