Matar a fome ou matar o próximo

Jornalista Gilvandro Filho, do Jornalistas pela Democracia, compara as primeiras impressões deixadas pelos governo de Lula e de Jair Bolsonaro; "Lula cumpriu o que prometeu. Ao dar comida aos mais pobres, não decepcionou o seu eleitorado. Pelo contrário, levou o Brasil a um patamar de igualdade, inclusão e justiça social que nem seus críticos encontram argumentos para contestar. Bolsonaro, em seus primeiros dias de governo, cumpre o que prometeu. Ao armar uma legião de valentes, não decepciona o seu eleitorado. Pelo contrário, anima a galera, ao abrir uma brecha sombria e imprevisível para o que acontecerá nas esquinas, nos bares e nos lares do Brasil

Matar a fome ou matar o próximo
Matar a fome ou matar o próximo

Por Gilvandro Filho, do Jornalistas pela Democracia - A primeira impressão é a que fica. Nos casos do governo atual e dos governos anteriores, a frase é lapidar. Ou é tiro e queda, sem fazer trocadilho e para usar o tema da hora. Os dois governos de Lula (2003-2011), por exemplo, e o recém iniciado governo de Bolsonaro refletem muito bem essa realidade. E parecem espelhar uma certeza ao invés de traduzir uma impressão.

A primeira impressão deixada por Lula foi de que o principal beneficiário seria quem tem fome. Uma das primeiras medidas do governo dele, em 2003, foi assinar o decreto criando o Fome Zero, um dos programas mais exitosos já vistos no planeta para combate direto à pobreza e atendimento às necessidades básicas alimentares do povo. Dois anos antes, o programa havia sido prometido pelo então candidato petista. Estava contemplado o segmento majoritário do seu eleitorado. Era só o começo do que viria em termos de ações e programas sociais. O Brasil começava a mudar.

No governo de Bolsonaro, a primeira impressão é de que houve um acerto de contas entre a nova gestão (permitam-me chamar assim...) e um segmento significativo dos que a bancaram. Com apenas 15 dias de Planalto, o novo presidente instituiu, por decreto, a flexibilização de posse e uso de armas no País. A medida foi a principal promessa de campanha do candidato do PSL, dos ruralistas, dos evangélicos, da bala e da bola. Foi "só o primeiro passo", como afirmou o próprio Bolsonaro. Só Deus sabe o que virá a partir daí. Ele garante que o Brasil começou a mudar.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

O Fome Zero, vale a pena lembrar aos esquecidinhos, virou referência no mundo. Receita simples: garantir a quem precisa a possibilidade de fazer três refeições por dia. Café da manhã, almoço e janta. O "privilégio" ajudou a tirar o País do Mapa da Fome, onde tinha cadeira cativa. Ao lado de inúmeras outras ações voltadas para os mais carentes, o governo começou a atacar a pobreza e a mudar um perfil perverso que nos acompanhava há séculos.

Através do programa, o Brasil cumpriu a primeira meta dos Objetivos do Desenvolvimento do Milênio da ONU, que era o de reduzir a extrema pobreza à metade entre 1990 e 2015. Ou seja, dez anos antes do que estava previsto. A renda da agricultura familiar cresceu 33%, quando a média nacional foi de 13%. No lançamento do programa, Lula definiu que a meta do Fome Zero seria "um Brasil plenamente viável e promissor, onde a democracia se estenda ao território econômico-social, a justiça seja meta de todos e a solidariedade, a regra geral de convivência" (*).

Três anos depois, no seu discurso de posse, em janeiro de 2003, Lula disse: "Vamos criar as condições para que todas as pessoas no nosso país possam comer decentemente três vezes ao dia, todos os dias, sem precisar de doações de ninguém. O Brasil não pode mais continuar convivendo com tanta desigualdade. Precisamos vencer a fome, a miséria e a exclusão social. Nossa guerra não é para matar ninguém – é para salvar vidas".

Ao longo da campanha eleitoral, da qual pouco participou fisicamente – oficialmente, por conta do atentado que sofreu e que lhe permitiu apenas discursar de casa e do tuíter, além de aparições estratégicas, aqui e ali -, Jair Bolsonaro por várias vezes reafirmou a intenção de armar os "cidadãos de bem". O rearmamento foi a sua principal bandeira de luta. Imitar com mãos o gesto de atirar com revolver ou com metralhadora equivaleu aos bolsonaristas o mesmo que o "V" da vitória ou o polegar para cima indicando positividade.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Em um de seus dois discursos de posse (haveria ainda um outro, feito pela primeira-dama Michelle Bolsonaro), Jair Bolsonaro disse: "O cidadão de bem merece dispor de meios para se defender, respeitando o referendo de 2005, quando optou, nas urnas, pelo direito à legítima defesa" (não foi bem assim...). Prosseguiu, se comprometendo a "libertar o país do socialismo, da inversão de valores, do gigantismo estatal e do politicamente correto". E finalizou com a frase-padrão da direita: "A nossa bandeira jamais será vermelha". Ressalvando a cor do sangue que poderia ser derramado para "defendê-la".

Lula cumpriu o que prometeu. Ao dar comida aos mais pobres, não decepcionou o seu eleitorado. Pelo contrário, levou o Brasil a um patamar de igualdade, inclusão e justiça social que nem seus críticos encontram argumentos para contestar.

Bolsonaro, em seus primeiros dias de governo, cumpre o que prometeu. Ao armar uma legião de valentes, não decepciona o seu eleitorado. Pelo contrário, anima a galera, ao abrir uma brecha sombria e imprevisível para o que acontecerá nas esquinas, nos bares e nos lares do Brasil.

As semelhanças param por aí.

Cada um dá o que tem.

(*em FOME ZERO - A experiência Brasileira - Organizadores: José Graziano da Silva, Mauro Eduardo Del Grossi, Caio Galvão de França - NEAD - Ministério do Desenvolvimento Agrário - 2010)

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247