CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Florestan Fernandes Jr avatar

Florestan Fernandes Jr

Florestan Fernandes Júnior é jornalista, escritor e Diretor de Redação do Brasil 247

171 artigos

blog

Mauro Cid, a árvore e os frutos

"A farda serviu para o ex-ajudante intimidar e afrontar, para deixar claro que, acima do cidadão, estava a instituição que ele representava", diz Florestan

Jair Bolsonaro e Mauro Cid (Foto: Alan Santos/PR/Divulgação)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

A imagem de um militar fardado, depondo na CPMI que investiga atos que visavam a abolição violenta da democracia, diz muito. O militar da cena é o tenente-coronel Mauro Cid, ex-“faz-tudo” de Jair Bolsonaro, cujo envolvimento pessoal na intentona golpista se reforça a cada dia.

O uso da farda para comparecer à CPMI não é aleatório, não é um detalhe periférico. Explico: somos seres imagéticos, nossa percepção é fortemente influenciada por imagens e símbolos. A farda militar se reveste de um simbolismo, que pretende comunicar os valores de cada uma das forças. No caso do Exército, a farda militar pretende comunicar: patriotismo e civismo, além de verdade, honra e dignidade. Tanto é assim, que o próprio Código Penal Militar prevê como crime o uso indevido de uniforme, distintivo ou insígnia militar (artigo 172).

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Mauro Cid, como sabemos, está preso desde o dia 03 de maio, por conta de sua participação em um esquema de fraudes de cartões de vacinação. Seu comparecimento com a farda e paramentos militares foi orientado pelo Exército. Se o uso da farda tem a função simbólica, aqui foi a confirmação e o reconhecimento, do próprio Exército, de sua participação no plano golpista. O silêncio constrangedor, desrespeitoso e ilegal de Cid arrasta os militares para um abismo ainda mais profundo. 

Outros militares já depuseram em CPI, mas não me lembro de vê-los usando farda. Nem mesmo o general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde na época da pandemia da Covid, teve o desplante de ir fardado à Comissão Parlamentar de Inquérito, quando ali depôs.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A justificativa para “liberar a farda” para Mauro Cid, é que o ex-ajudante de ordens exercia função militar. Ou seja, para o Exército, estaria também no exercício da função militar quando tramou um golpe, fraudou o sistema de saúde e trabalhou fortemente para desviar as “joias das arábias”. Não há outra conclusão, senão esta.

No caso de CID, pode ser que o uso da farda tenha acontecido por pressão do pai dele, o general Mauro César Lorena Cid. O general foi contemporâneo de Bolsonaro nas turmas de cadetes da AMAN, no auge da ditadura militar no governo do general Garrastazu Médici. Os dois eram “chapas”, filhotes do mesmo ninho e, certamente, comungam até hoje das mesmas visões e crenças políticas. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O fato é que ao entrar fardado na CPMI, Cid foi desrespeitoso não só com os parlamentares, mas com os eleitores. Ali estava um brasileiro como todos nós (ou pelo menos deveria ser), respondendo como civil, servidor público lotado em um órgão de governo.

A farda serviu para tentar intimidar e afrontar os parlamentares, para deixar claro que, acima do cidadão, estava a instituição que ele representava e de cujas cores se cobria e que, como visto, o protege do próprio Estado democrático de direito, que agora busca punir quem o tentou destruir. Uma espécie de "ninguém solta a mão de ninguém" na esfera golpista.  

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Quando Cid, em suas considerações iniciais, declarou que a sua escolha para a ajudância de ordens não foi política, não foi determinada por Bolsonaro, jogou estrategicamente a responsabilidade de sua nomeação na conta do Exército. O mesmo Exército que agora escancarada e escandalosamente o protege, proporcionando “prisão- SPA”, quase hotel, no quartel general de Brasília. Local onde está livre de restrições, podendo receber e conversar com dezenas de visitas, segundo apurado, 73 pessoas. Entre os convivas, estavam o ex-comandante do Exército, Júlio Cesar de Arruda, o coronel Jean Lawand e o tenente Osmar Crivelatti, o oficial que teria sido designado por Cid para buscar em São Paulo as joias enviadas para Bolsonaro pelo governo da Arábia Saudita. Ou seja, uma prisão-SPA-escritório, custeada pelo erário.

Na CPMI, Cid não perdeu a oportunidade de golpear as instituições. Desvirtuou e subverteu o habeas-corpus que lhe foi concedido pela Ministra Carmem Lúcia, do STF, que o autorizava a não responder perguntas que pudessem lhe autoincriminar – que é um direito constitucional. Cid, invocando a decisão, deixou de responder até a própria idade, em uma clara afronta ao STF e ao Parlamento.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O comportamento covarde e afrontoso do ex-ajudante de ordens não surpreende. O que se esperar de alguém que está sendo investigado por participação em uma série de ilegalidades, desde a fraude de documentos, crimes patrimoniais (caso das joias das arábias), até a abolição violenta do estado democrático de direito? Poderia vir algo além do desrespeito, da desonra, partindo de quem despreza as instituições, de quem mostrou desconhecer a civilidade e o patriotismo, de quem não honra os valores da Força que serve? Como diz a sempre certa sabedoria popular, “pelo fruto se conhece a árvore”.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO