Medo supremo

"Ao que tudo indica, os ministros do Supremo temem as consequências de sua decisão. Vão apanhar se soltarem Lula e também se não soltarem. Mas foram nomeados e são pagos com dinheiro público para tomar decisões assim. Fugir da raia nunca é a melhor solução. O que nos leva à constatação de que a maior ameaça hoje ao STF é o seu próprio medo", escreve a colunista Helena Chagas, Jornalista pela Democracia, sobre o adiamento da decisão sobre a prisão em segunda instância

Medo supremo
Medo supremo (Foto: STF | Reuters)

A suprema Corte brasileira já passou por muitos bons e maus momentos ao longo de sua história, desde a humilhação de ter ministros cassados pela ditadura militar à situações em que funcionou como garantidor da Constituição e da democracia. Raras vezes, porém, se viu o Supremo Tribunal Federal em situação tão constrangedora como a de hoje. Dividido internamente, incapaz de mostrar unidade em torno de decisões cruciais, o STF está preferindo sair de cena e passa ao país a impressão de estar com medo.

É ou não é uma corte fragilizada, ou acuada, aquela que abre seu plenário a manifestações organizadas de apoio da OAB, da UNE, da Fiesp e de outras entidades convocadas para isso? Foi muito bonita a homenagem, mas é preciso lembrar que só precisa desse tipo de apoio, desagravo – ou seja lá o que for – quem está frágil. Bem fez o ministro Marco Aurélio que, num gesto solitário, abandonou a sessão explicando considerar que o Supremo não precisa de desagravos.

O presidente da Corte abriu inquérito para apurar ameaças e agressões a ministros das redes sociais. Está coberto de razão ao reagir, mas será que precisa passar por cima da rotina que determina que esses inquéritos sejam conduzidos pelo Ministério Público e pela Polícia Federal? É justo investigar, descobrir e punir os autores das ameaças, reforçar a segurança dos ministros. Feito isso, seguir em frente. Não parece ser, porém, o que está acontecendo.

Na mesma semana do desagravo das entidades, o Supremo adiou, sem data, o julgamento marcado no ano passado para o dia 10 de abril com o objetivo de revisitar a decisão de permitir a prisão dos condenados após a segunda instância. Nos bastidores, sabe-se que fez isso para não correr o risco de dar uma decisão que poderia tirar da cadeia o ex-presidente Lula.

Os ministros do STF pressionaram ao máximo o STJ para ficar com a batata quente e julgar o recurso do petista antes do julgamento da questão da segunda instância. Concedendo ou não  a redução da pena e a prisão domiciliar, esse tribunal retiraria o rosto de Lula da capa do processo do Supremo. Os ministros do STJ não caíram na conversa e deixaram o abacaxi no colo de Dias Toffoli. Que, com o apoio dos colegas, decidiu adiar a sessão marcada há meses.

Ao que tudo indica, os ministros do Supremo temem as consequências de sua decisão. Vão apanhar se soltarem Lula e também se não soltarem. Mas foram nomeados e são pagos com dinheiro público para tomar decisões assim. Fugir da raia nunca é a melhor solução.

O que nos leva à constatação de que a maior ameaça hoje ao STF é o seu próprio medo.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

blog

Palocci é o delator coringa

Bastou a coisa apertar para o lado da Lava Jato que o Ministério Público Federal coloca Antonio Palocci no pau-de-arara e vaza alguma delação bombástica para O Globo.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247