Não queremos parabéns no 1º de Maio, queremos emprego, salários dignos e os direitos trabalhistas e previdenciários roubados

Gritemos defendendo isso e vamos à luta!



✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Ao longo do dia de hoje, 1º de maio de 2022, em diversos meios de comunicação e nas redes sociais várias pessoas e empresas deram os parabéns aos trabalhadores pelo seu dia, como se os trabalhadores tivessem algo a comemorar. Comemorar o quê? 

A flexibilização da legislação trabalhista (Lei 13.467/2017) aprovada no governo golpista de Michel Temer, que contribuiu para acelerar de forma significativa a precarização do trabalho, com a implantação legal do trabalho intermitente, da terceirização e da prevalência do negociado sobre o legislado? Ou a reforma da previdência aprovada (Emenda Constitucional n. 103 de 13/11/2019) no (des)governo de Jair Bolsonaro, que praticamente tirou dos trabalhadores a possibilidade de uma aposentadoria digna?

continua após o anúncio

Ou ainda, para além dessa retirada de direitos trabalhistas e previdenciários, comemorar a diminuição ou o fim de programas sociais voltados aos trabalhadores (Minha Casa Minha Vida, Bolsa Família, Farmácia Popular, etc.) ou o término do reajuste real do salário mínimo? 

Festejar o quê? Os altos índices de desemprego que assolam o país? O aumento do custo de vida, com os preços exorbitantes da carne, do frango, do peixe, do feijão... Do gás e dos combustíveis? A concentração de renda, enquanto que a miséria e a fome batem à porta do trabalhador? 

continua após o anúncio

Não há o que celebrar, mas sim muito a lutar! De 2016 (ano do golpe) para cá o trabalhador já percebeu e sentiu na pele que as coisas só ficaram mais difíceis. Temer-Bolsonaro, juntamente com os partidos de suas bases no Congresso Nacional, jamais representaram (ou representam) os interesses dos trabalhadores. Só resta a luta!

E, nessa esteira, a história pode contribuir sobremaneira para o entendimento do lugar social dos trabalhadores no mundo do capitalismo neoliberal. E nada mais justo, no Dia do Trabalhador, falar em síntese dessa data histórica. 

continua após o anúncio

O 1º de Maio apareceu como um dia de protesto contra as péssimas condições laborais e salariais que afetavam diretamente a saúde e a vida cotidiana dos trabalhadores do mundo, imersos na “era do capital”. Contra as adversidades que os afligiam, trataram de se organizar, mobilizar e lutar por dias melhores. 

Sendo assim, no dia 1º de Maio de 1886, parcela considerável de trabalhadores foi às ruas de Chicago (E.U.A.) com o intuito de protestar contra a exploração do trabalho, especialmente sobre as extensas jornadas de trabalho, que eram de 14 a 16 horas diárias. O 1º de Maio se tornou um dia/momento de luta pela jornada de 8 horas de trabalho. 

continua após o anúncio

Essa ação dos trabalhadores estadunidenses incomodou de tal modo às elites empresariais e políticas da época que não hesitaram em reprimir de forma contundente aqueles que participaram do movimento, o que ocasionou prisões, pessoas feridas e mortes nos confrontos ocorridos entre os operários e a polícia. 

Mortes! Luto! Daí para frente, o 1º de Maio ganhou um significado de luto e luta. Luto por aqueles que perderam a vida naquele fatídico dia e luta pelas 8 horas de trabalho e melhores condições de vida. Este significado político da data deve ser recordado e mantido, sobretudo porque, como mencionado anteriormente, os direitos trabalhistas e previdenciários conquistados com muito sangue e suor (nacional e internacionalmente) pelos trabalhadores de ontem foram (e o que resta está correndo risco) desmantelados. Estamos caminhando para trás, voltando, por exemplo, as extensas horas de trabalho e a inexistência de direitos que nos assegurem dignidade no trabalho e na vida (uberização do trabalho). 

continua após o anúncio

Nesse 1º de Maio, parabenizar o trabalhador pelo seu dia é concordar com todo esse quadro de retirada de direitos, de precarização do trabalho, de desemprego, de carestia de vida, de miséria e fome. 

Não queremos parabéns, queremos empregos, salários dignos e os direitos trabalhistas e previdenciários roubados. Gritemos defendendo isso e vamos à luta! 

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247