CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Jeferson Miola avatar

Jeferson Miola

Articulista

1164 artigos

blog

Notícia sobre ataque russo à maternidade teve encenação com modelo fotográfica

"Este episódio farsesco também confirma o ditado de autoria desconhecida que diz que numa guerra, a verdade é a primeira vítima", destaca Jeferson Miola

Imagem Thumbnail
(Foto: Reprodução)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Jeferson Miola                                               

Do teatro da guerra na Ucrânia surgiu a notícia de ataque russo a um hospital materno-infantil na cidade de Mariupol, no sul do país. O ataque, ocorrido na 4ª feira, 9/3, teria deixado pelo menos 17 pessoas feridas, informou o noticiário.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Este episódio é um excelente roteiro sobre como se produzem, se encenam e se propagam notícias falsas que, num passe de mágica cibernética, alcançam instantaneamente todos os lugares habitados do globo terrestre.

E este episódio farsesco também confirma o ditado de autoria desconhecida que diz que numa guerra, a verdade é a primeira vítima.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A produção da notícia falsa

Logo após o bombardeio, o presidente da Ucrânia Volodymyr Zelensky denunciou no twitter: “Mariupol. Ataque direto de tropas russas na maternidade. Pessoas, crianças estão sob os destroços. Atrocidade! Por quanto tempo mais o mundo será um cúmplice ignorando o terror? Feche o céu agora mesmo! Pare com os assassinatos! Você tem poder, mas parece estar perdendo a humanidade”.

A postagem de Zelensky estava acompanhada de um vídeo de 1:19 minutos com cenas dos enormes danos causados pelos bombardeios no interior do hospital.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Após Zelensky, o Secretário-Geral da ONU António Guterres publicou no twitter que “O ataque de hoje a um hospital em Mariupol, na Ucrânia, onde estão localizadas as maternidades e as alas infantis, é horrível. Os civis estão pagando o preço mais alto por uma guerra que não tem nada a ver com eles. Essa violência sem sentido deve parar. Acabe com o derramamento de sangue agora”.

Em seguida, e também por twitter, o vice-embaixador da Rússia na ONU Dmitry Polyanskiy escreveu: “Assim nasce fake news. Advertimos em nossa declaração de 7 de março (russiaun.ru/en/news/070322n) que este hospital foi transformado em objeto militar por radicais. É muito perturbador que a ONU espalhe essa informação sem verificação”.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A propagação da notícia falsa

Imagens e cenas televisivas rapidamente dominaram o noticiário online em todas as partes do mundo. A imagem de uma gestante carregada na maca foi replicada ad nauseam.

Na Globo News, por exemplo, a apresentadora Maria Beltrão mostrava cenas e narrava o que via e, pior, o que desconhecia totalmente: “olha só gente, mulher grávida saindo da maternidade. Tínhamos informações de que eram muitas mulheres em trabalho de parto. Pelo amor de deus, pelo amor de deus”, ela exclamou.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
print1


Mídia russofóbica ignorou esclarecimento oficial da Rússia

Àquela altura, já corria pelo mundo o esclarecimento oficial do governo russo de que a maternidade já não funcionava naquele prédio atingido, porque foi transformado em base militar de milícias nazistas ucranianas. Mas a mídia russofóbica ignorou solenemente o esclarecimento russo e não observou o básico do jornalismo, o contraponto.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O hospital não funciona desde o início da ofensiva russa, há duas semanas, porque pacientes e equipes técnicas tinham sido dispersadas dali pelas forças milicianas do Batalhão neonazista Azov. Os milicianos do Batalhão Azov estrategicamente montam trincheiras de combate em hospitais, maternidades, escolas e em edifícios residenciais.

No momento do bombardeio ao prédio, portanto, não havia nenhuma mulher gestante, menos ainda em trabalho de parto, como informou a apresentadora da Globo News, Zelensky e o dirigente da ONU. Tampouco haviam crianças internadas.

De acordo com o site Anti-Spiegel, a imagem da mulher grávida na maca foi uma encenação com uma modelo fotográfica como se fosse uma sobrevivente do bombardeio. A “atriz” da encenação se chama Marianna Podgurskaya, que possui um blog de beleza e divulga seu trabalho através da conta gixie_beauty no Instagram.

O Anti-Speigel avalia, ainda, que não se trata de vídeo amador, feito com aparelho celular, porque a qualidade técnica e a estabilidade das imagens indicam que deve ter sido produzido com uma câmera profissional com estabilizador.

A reportagem do site anota a participação da modelo Marianna em várias cenas do vídeo e também compara com fotografias em que ela aparece caminhando ou representando outros papéis [aqui].

print2


Não existem corpos de pessoas mortas nos vídeos e fotografias

Se o prédio do hospital estivesse, de fato, ocupado, um bombardeio que causou tamanha destruição e dano material causaria, também, muitas mortes humanas.

Apesar de todo estardalhaço da mídia e da suposição de que havia muitas pessoas feridas, crianças sob os destroços, vários mortos e outros tantos desaparecidos, o curioso é que não se vê nenhuma pessoa morta nos vídeos e fotografias publicadas. E tampouco paredes e pisos ensanguentados, como seria esperável.

Notícia falsa é destaque de capa nos jornais de todo o mundo

Neste dia 10/3, apesar da informação verdadeira e correta estar disponível e acessível aos veículos de comunicação para apuração da realidade, os jornais de grande circulação em todo o planeta mostraram, entretanto, a fotografia da modelo fotográfica Marianna carregada na maca e alardearam a atrocidade do ataque russo ao hospital materno-infantil.

print3


No Brasil o comportamento da mídia hegemônica não foi diferente. Os maiores jornais deram destaque do assunto na capa. Usando a mesma fotografia originada na mesma fonte de propagação da notícia falsa.

print4


Jornalismo de guerra na guerra

Numa guerra acontecem muitas guerras simultaneamente – guerra informacional, psicológica, de narrativas, econômica, ideológica; guerra jornalística e contra a liberdade de expressão e de opinião etc.

A mídia hegemônica tem sido escandalosamente posicionada na cobertura do conflito na Ucrânia. Não só não apura os fatos e não certifica a veracidade das informações para evitar reproduzir notícias falsas como esta do ataque ao hospital materno-infantil, como também promove um jornalismo de guerra, sem contraponto, sem escuta de todas as partes implicadas. Com este jornalismo de guerra, a mídia se converte numa arma muito destrutiva e devastadora.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO