CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Marcia Tiburi avatar

Marcia Tiburi

Professora de Filosofia, escritora, artista visual

103 artigos

blog

O grito silenciado

Marcia Tiburi sobre "a exposição censurada na Caixa Cultural e os sinais do autoritarismo resistente"

Arthur Lira, Paulo Guedes e Damares (Foto: Reprodução)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

A exposição se chamava O Grito e estava em cartaz na Caixa Cultural em Brasília. Ela foi cancelada no dia 23 de outubro quando políticos ficaram ofendidos por suas imagens estarem representadas nela. Parece que o mais ofendido foi Artur Lira, presidente da Câmara dos Deputados que usa seu poder como se fosse dono do Brasil. Ele aparecia em meio a centenas de imagens dentro de uma lata de lixo (da história?) junto com Guedes e Damares. Muitos dirão, não há lugar que mais convenha a esses personagens infames. Outros ainda podem se perguntar: como é possível um político se incomodar com arte em 2023!? 

Quem é político aprendeu a não se incomodar com xingamentos - e com arte? - ou será que o Lira (et caterva) estão de mimimi? Sabemos que não. Sabemos que é tecnologia política de novo, como foi em 2017-2018. Um jornal mineiro muito mequetrefe fez uma matéria enfocando no custo da exposição e aproveitando para fazer propaganda de um deputado de extrema-direita, como se ele fosse o herói da denúncia, quando na verdade estava apenas criando caso - e polêmica - contra a arte. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Aprendamos com isso, pois 2024 o jogo vai ser muito sujo e as artes e tudo o que chama pelo apelo imagético será usado para o mal de eleger a extrema-direita (tacanha e sem escrúpulos). As velhas e usadas Fake News voltarão a circular, novas ondas de desinformação profissional serão visíveis nas redes, a ignorância do povo será turbinada pelos meios de comunicação, para fazer vencer a direita e a extrema-direita com todos os pastores espertalhões que já conhecemos de longa data. 

A censura à exposição e à obra de Marília Scarabello são sintoma da miséria política (e estética) que continua apesar da vitória do governo democrático. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Mas há um problema mais real e mais profundo. A exposição mostrava uma coleção de imagens feitas por muita gente, imagens que estão soltas pelas redes, e em relação a isso ninguém pode fazer nada. A imagem de Lira está na lata do lixo na era da reprodutibilidade técnica e lá permanecerá junto com as imagens de Damares e Guedes. A imagem de Dilma Rousseff, Manuela D’Ávila, a minha e de tantas outras e outres segue circulando nas latrinas do ódio que fazem parte das redes sociais, mas a de políticos da extrema-direita também. Sinto muito, Artur Lira e colegas de lata do lixo, vocês fazem parte do esgoto – (que vocês mesmos criaram) e não tem como apagar o que foi feito e mostrado. E vai continuar assim e o povo dirá o que quer quando quiser e as redes sociais permitirem - já o gabinete profissional e bem pago do ódio deveria ser controlado. A Marília Sacarabello, por sua vez, é uma artista. E, do ponto de vista da Constituição Federal, não podia ser censurada. O que ela faz é recolher o material relacionado à livre expressão e mostrar de modo organizado o que está solto por aí sendo produzido e reproduzido de modo randômico e sem controle. Por isso, é preciso prestar todo o apoio à artista e preservar a arte onde a gente acaba por conhecer a verdade, doa a quem doer. As bandeiras da mostra podem ser vistas nos perfis do Instagram @colecao_bandeira e @colecao_bandeira_2 

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO