O negacionismo tira vidas e custa caro

Um dos piores governos que o Brasil já teve, Bolsonaro é lembrado pela destruição completa do país e de suas políticas públicas

Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agencia Brasil)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Um dos piores governos que o Brasil já teve, Bolsonaro é lembrado pela destruição completa do país e de suas políticas públicas. Foi contra a educação, as minorias, os direitos trabalhistas, contra o povo. E com a saúde e a ciência não foi diferente. Lá no início da pandemia, segurou até onde pôde, a compra das vacinas. E, quando por fim comprou os imunizantes, não implementou uma campanha eficaz para que a população pudesse se vacinar.

Muito pelo contrário, foi negligente e sempre que podia, tentava fazer a população desacreditar na eficácia da vacinação. Em uma das cenas mais grotescas da política brasileira, o então presidente chegou a mostrar uma caixa de cloroquina para as emas, no gramado do Palácio do Planalto. Vale lembrar que o remédio é comprovadamente sem eficácia contra a Covid, mas, mesmo assim, foi defendido fielmente por Bolsonaro e seus apoiadores.

continua após o anúncio

Só que esse negacionismo custou caro ao povo, e, muitos, infelizmente, pagaram com a vida. Foram contaminados pelo vírus e, sem vacina ou por seguir a cartilha negacionista de Bolsonaro e decidir não tomar o imunizante, morreram. Quase 700 mil mortes no Brasil. Foram milhares de pessoas que ficaram sem um pai, uma mãe, um irmão, um amigo.

Mas não ficou só nisso, pois a conta chegou também ao bolso dos que sobreviveram ao governo Bolsonaro. De acordo com reportagem da Folha de São Paulo, sob a gestão bolsonarista, o Ministério da Saúde deixou vencer cerca de 38,9 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19. Um prejuízo de R$ 2 bilhões aos cofres públicos.

continua após o anúncio

E o descaso de Bolsonaro com a saúde não parou por aí. Além das vacinas contra a covid vencidas, o Ministérios da Saúde incinerou medicamentos usados para o tratamento de doenças raras, uma das bandeiras defendidas por sua gestão. Mais um prejuízo milionário ao Brasil.

Segundo dados obtidos pela Folha de São Paulo, por meio da Lei de Acesso à Informação, desde 2019, cerca de 214 milhões de remédios foram descartados. Na lista, estão vacinas contra sarampo, rubéola, hepatites e outras doenças, além de medicamentos para pessoas que vivem com HIV. Um verdadeiro desastre! Enquanto isso, o povo pena para conseguir atendimento básico e ter a saúde assegurada como um direito constitucional.

continua após o anúncio

Agora, a conta chegou e não pode ser paga por nós, povo brasileiro! Bolsonaro deve pagar por cada centavo, pela sua negligência e por tantos outros crimes que cometeu ao logo do seu mandato. É urgente que se faça valer a justiça.

E que isso nos sirva de lição. O negacionismo custa caro, tira vida e pode deixar um efeito devastador na vida pessoas e na economia de um país.

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247