O significado da visita de Nancy Pelosi a Taiwan

"O que querem os americanos com esse comportamento? Com certeza a disputa pelo controle militar das águas do Pacífico", diz Raimundo Rodrigues Pereira

www.brasil247.com -
(Foto: Reuters)


A tarefa principal do grande jornalismo político diário impresso – no caso do Brasil, destacadamente, a Folha de S. Paulo, O Globo e o Estado de S. Paulo - é apresentar com destaque os fatos mais relevantes do dia que passou. Não é uma tarefa fácil.  Vejamos um exemplo bem recente. Os nossos três grandes jornais destacaram, a meu ver, corretamente, no dia de ontem, como o grande fato na política internacional, a rápida visita à ilha de Taiwan no dia anterior, de Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes, o equivalente à nossa Câmara dos Deputados.

Eles colocaram a notícia no lugar mais nobre, o alto da primeira página. E os três, também nesse espaço privilegiado, relatam a reação da China: 1 – O Globo disse que “Pequim iniciou manobras militares na região em torno da ilha”; 2 – a Folha disse que a visita abriu “a mais grave crise, em anos, com os EUA”; e 3) o Estado publicou foto de manifestantes chineses, em Taiwan contra a visita da parlamentar americana à ilha.

Mesmo em relação à causa imediata da visita, o leitor interessado encontra resposta nos jornalões: todos destacam as próximas eleições parlamentares americanas como a grande motivação da viagem de Pelosi. O Globo diz, em manchete de página interna, que “Política Doméstica alimenta crise diplomatica”. E a deputada, referindo-se  à conjuntura mais ampla na qual sua visita ocorreu, disse - claramente referindo-se a guerra da Rússia contra a Ucrânia e ao endosso público de Xi Jinping a Putin na ocasião - que os EUA e seus aliados “nunca celebrarão os autocratas”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nenhum dos jornalões diz, no entanto, que os Estados Unidos estão, de fato, procurando pretextos para contornar sua própria política em relação à China.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Taiwan foi o refúgio das forças pro-americanas chinesas na revolução liderada por Mao Zedong que proclamou a República Popular da China em 1949. 

Dessa data até 1971, graças ao enorme poder internacional dos EUA, os refugiados chineses de Taiwan, oito milhões de pessoas, eram quem escolhia o representante da China na ONU. Ou seja, a China continental, governada pelos comunistas, amplamente majoritária, então com 680 milhões de habitantes, era representada nas Nações Unidas pelas forças derrotadas na Guerra Civil.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A situação mudou com a grande derrota dos americanos no sudeste asiático. A partir de 1954 eles substituíram a França como potência colonial na Indochina. Desembarcaram tropas no Vietnã do Sul, um estado criado por um acordo de paz com os comunistas de Ho Xi Minh que ficaram com o norte. A derrota dos EUA começa em 1968 com as grandes manifestações do povo americano contra a guerra: elas empurram o país para a mesa de negociações. 

Em 1971 os americanos desistiram de indicar seus prepostos de Taiwan como representantes da China na ONU. E admitem que a escolha passe a ser feita então pela China continental. A mudança abriu caminho para que muitos países dependentes dos americanos, como o Brasil, também mudassem de posição. O governo dos comunistas no continente passou então a indicar os representantes da China  inclusive no órgão de cúpula da organização, o Conselho de Segurança, de 5 membros. Em 1973 o governo do presidente Nixon negociou a retirada de suas tropas do Vietnã. E em 30 de abril de 1975 os últimos agentes americanos deixaram o prédio da embaixada dos EUA em Saigon e o Vietnã foi reunificado sob comando dos comunistas.

A visita de Pelosi a Taiwan não muda a política de uma só China, diz o governo de Joe Biden, do mesmo partido de Pelosi e que, nos bastidores, teria tentado evitar a viagem,  sem muito empenho, é claro, visto que a deputada viajou num avião da força aérea do governo que ele comanda.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O que querem os americanos com esse comportamento? Com certeza tem a ver com a disputa pelo controle militar das águas do Pacífico na região, no mar Amarelo, o mar do Leste da China e o mar do Sul da China. Taiwan é um terreno estratégico no meio de três mares chineses, o Mar Amarelo, mais ao norte, o Mar do Leste da China, que envolve Taiwan e o Mar do Sul da China, que se estende ao Vietnã e ainda à Indonésia e às Filipinas. Esses mares, do Oceano Pacífico, estão a cerca de 15 mil quilômetros da costa dos EUA. Se fôssemos ingênuos, era o caso de se perguntar: o que os americanos têm a fazer por ali?

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email