CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Camilo Irineu Quartarollo avatar

Camilo Irineu Quartarollo

Autor de nove livros, químico, professor de química, com formação parcial em teologia e filosofia.

48 artigos

blog

Orçamento cabriolo

O orçamento secreto virou farra com o dinheiro público com gastos aleatórios e suspeitos

Arthur Lira (Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Disse o presidente da Câmara Federal: “... nós parlamentares que gastamos a sola do sapato...”. Talvez devesse usar um par de tênis, os de marca, mais frescos, confortáveis, vistosos e joviais! Para, assim, chegar aos municípios e, de pés enxutos, pular poças à cabriola.

Devido à influência intrínseca na vida do país, adverte o ministro Ayres Brito com suas palavras que, abaixo da Constituição, não há outra lei mais importante ao país que a Lei Orçamentária. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Ao Legislativo, para manutenção da Casa, caberá uma porcentagem do Orçamento público – não para execução de obras públicas, mas para manutenção própria. 

Nos EUA, o legislativo de lá recebe 2,4% do orçamento. Em Portugal, são reservados ao legislativo somente 0,5 %. Na Coreia do Sul, para o seu legislativo, é suficiente 0,3% do montante e, finalmente, na França a quantia é não mais que 0,1% para manutenção do congresso. Entretanto, no Brasil, ano a ano o Legislativo vai remontando e chegou nos fabulosos 23,8%,  e só no sapatinho... Cabriolando, a quase um quarto dos recursos arrecadados, cujas reservas são para executar obras imprescindíveis ao país.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Lira, o próprio interessado, deu a versão de Orçamento dele, “...pertence a todos e todas e não apenas ao Executivo...” e conclui que “...se assim fosse, a Constituição não determinaria a necessária participação do poder Legislativo em sua confecção e final aprovação”. 

Ora, fiscalizar, bater os itens, comparar gastos, receitas e, depois de conferido, fazer a votação na Casa de leis é tarefa legislativa, mas não crescer os olhos no arrecadado.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Esse orçamento “retido” quase nunca vai para as obras de infraestrutura.

O orçamento secreto virou farra com o dinheiro público com gastos aleatórios e suspeitos, como na “cidade mais banguela do Brasil”, Pedreiras. Outro caso milagroso em Santa Quitéria do Maranhão, com mais exames para detectar HIV que a cidade mais populosa do Brasil, São Paulo!

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

No saneamento básico, os tubos de esgoto ou de água encanada – por baixo da terra, não dão votos. Os deputados querem obras em cima do asfalto, sambódromos, arenas, camisetas, praças e algum Posto de saúde. Inaugurar dá voto, mas quem gerencia não é o alienígena de Brasília. 

Ao Executivo cabe organizar estrategicamente e executar as obras necessárias e suficientes ao país. Criar infraestrutura de acordo com a demografia, vocação, cultura e as necessidades locais e estratégicas ao progresso sustentado!

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A função constitucional do Legislativo é fiscalizar o Executivo, porém, se os deputados querem fazer o serviço do Executivo, quem fiscaliza?

Se o Legislativo “executar” e ao mesmo tempo fiscalizar, estará usurpando a função do Executivo e a divisão de poderes. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Não cabe aos parlamentares executarem obras, cabriolando poças ou retendo verbas, cabe sim ao Executivo, que executa, não ao Legislativo que legisla.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO