Paciência suíça

www.brasil247.com -
(Foto: Reuters/Stefano Rellandini)


- O quê foi? - perguntou o assessor-geral.

O segurança veio correndo, pisando nos fios do microfone, tentando entender o ocorrido.

Na coxia, se ouviam os lamentos abafados dos cardeais. O segurança tentou mover o soldado da Guarda Suíça Pontifícia, mas o assessor-geral lembrou que era melhor esperar pelos paramédicos. O papa olhava para tudo, sentado em seu trono, com olhar espantado. Os mais próximos revelaram mais tarde que sua Santidade parecia rezar baixinho. Ou praguejar alguma coisa em dialeto bonaerense.

Os paramédicos chegaram rápido. Deram um líquido para o soldado cheirar, ele acordou na hora. Estava tonto, o ambiente parecia flutuar. 

  • Diga o seu nome - pediu o paramédico. 

Ele não conseguia se lembrar. 

  • Como você se chama? - outros lhe perguntavam.

Nada. Nem o papa poderia, no entanto, ler os seus pensamentos naquela hora.

“Não se mexe, não é, soldadinho de chumbo? Então vamos ver…”

Montar guarda nos portões da Basílica, hoje o dia promete. Ficar debaixo do sol, horas e horas. Ainda por cima com a turistada incomodando. Pensam que a Guarda Suíça, por ficar em posição de sentido, olhando para o infinito, não é gente. Ah, se eu tivesse ouvido minha mãe. Seria mais um, trabalhando na indústria relojoeira, mas não passava por um perrengue assim.

“Pai, por que ele não fala com as pessoas?”

Pelo sotaque, o garoto é do Brasil. Não duvido que, daqui a pouco, faça besteira. Brasileiro no Vaticano é triste. Mexem nas pinturas do Museu, vão entrando nas igrejas de minissaia, calção...

“Ei, soldadinho de chumbooo, fala comigoooo!”

Sabia que esse fedelho ia me perturbar. Fazer o quê? Se eu me mexer, ou responder, a bronca vai ser pior. 

“Não se mexe, não é, soldadinho de chumbo? Então vamos ver…”

Não! Não posso acreditar! O miserável me mandou um coice nas partes baixas. Idiot! Halunke! Ai, não, agora o irmãozinho me chutou no mesmo lugar! Mein Gott!

“Soldado 37, venha ao salão de imprensa, você foi incumbido de fazer guarda ao papa!”

Eu preciso conseguir, eu preciso conseguir, eu preciso conseguir, eu preciso...

  • Qual é seu nome? - perguntou o paramédico.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247