Pazuello será alvo de condução coercitiva?

"O general-fujão – ou covardão – utilizou a desculpa do contato com os dois infectados para escapar da CPI", diz o jornalista Altamiro Borges

www.brasil247.com - General Pazuello
General Pazuello (Foto: Reprodução)


Rotulado de general-fujão nas redes sociais, Eduardo Pazuello, o ex-sinistro de Jair Bolsonaro que carrega mais de 300 mil mortos nas costas, pelo jeito não terá como escapar da CPI do Genocídio. O jornal Estadão informa que os senadores já falam em pedir a "condução coercitiva" do milico para garantir seu tão aguardado depoimento.

"Os senadores citaram a medida após o Estadão revelar que Pazuello recebeu, na manhã desta quinta-feira (6), uma visita do ministro Onyx Lorenzoni (Secretaria-Geral da Presidência) no Hotel de Trânsito de Oficiais [em Brasília], onde supostamente estaria em isolamento depois de ter contato com dois servidores que contraíram a Covid-19".

 A desculpa esfarrapada do milico

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 O general-fujão – ou covardão – utilizou a desculpa do contato com os dois infectados para escapar da CPI na quarta-feira (5). A justificativa foi apresentada em documento oficial do Exército – o que mancha novamente a já desgastada imagem da instituição golpista. Os senadores deram, então, um voto de confiança e adiaram o depoimento para 19 de maio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A revelação do jornal, porém, azedou o caldo. Ela mostrou que "Pazuello não manteve medidas de isolamento e se reuniu com Onyx, que foi escalado como articulador da estratégia de defesa do governo Bolsonaro na CPI da Covid". Diante da mentira, os senadores reagiram e passaram a falar em pedir sua condução coercitiva. 

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da Comissão Parlamentar de Inquérito, foi o mais incisivo ao mencionar o uso da medida. "Indignado, ele repetia na mesa da CPI: 'Condução coercitiva'. O senador Fabiano Contarato (Rede-ES), que é delegado de polícia, concordou: 'No processo penal, isso é condução coercitiva'", relata o Estadão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A medida só não foi aprovada devido à resistência do presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), que pediu aos colegas que aguardassem o depoimento remarcado. Ainda segundo o jornal, Renan Calheiros concordou, mas fustigou: "Ele precisa colaborar e deixar de usar o Exército como biombo para não vir à CPI. Isso é extremamente irresponsável".

Ir de farda ou à paisana na CPI?

Agora é ter paciência e esperar até 19 maio. Será que o “general-covardão” vai fugir novamente? Em sua coluna no UOL, Thaís Oyama garante que “Pazuello receia acabar como um cão sarnento, daqueles que ninguém quer por perto. Com o avanço da CPI, o ex-ministro teme ficar sem o apoio do governo a que serviu e da corporação a que ainda pertence”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo a jornalista, há várias provas desse medo-pânico. “Ilustra essa situação a questão em torno de como ele deverá ir trajado ao depoimento adiado para o dia 19, se de farda ou à paisana. O comando do Exército já sinalizou preferir que o general se apresente à comissão em trajes civis, de modo a não associar o evento à Força”.

“Amigos, no entanto, vêm aconselhando Pazuello a fazer justamente o contrário: aparecer fardado e com as suas três estrelas sobre os ombros. A ideia é ‘amarrar’ sua imagem à do Exército para desencorajar ‘avanços’ de parlamentares, cujos ataques poderiam ser lidos como agressões aos militares... Pazuello, o general do pavio curto, tem motivos de sobra para estar nervoso”.

 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email