Reeleito, Bolsonaro terá os três poderes nas mãos

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)


A expressiva eleição dos candidatos à Câmara e ao Senado ligados ao presidente Jair Bolsonaro, pode determinar o fim do período da redemocratização, caso haja reeleição. 

Em 2023, se reeleito, Bolsonaro terá a oportunidade de indicar dois ministros ao STF para os lugares dos então aposentados Ricardo Lewandowski e Rosa Weber. 

Com maioria no Senado, pode pedir o impeachment dos seus ‘inimigos’ Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, permitindo a indicação de outros dois. 

Como os ministros Kássio Marques Nunes e André Mendonça já foram indicados e estão alinhados com o presidente, Bolsonaro teria seis ministros no STF para aprovar e impedir o que quiser. 

Se não for impedido, Bolsonaro terá o controle do Executivo, Legislativo e Judiciário. 

Alguém consegue imaginar viver no século XXI em um país governado por um ditador que nega a cultura, odeia índios, negros e mulheres?  

Já não é mais o caso de as forças progressistas levantarem bandeiras, o negócio ultrapassou o limite ideológico partidário. Todos devem estar envolvidos, unidos em torno da candidatura de Lula para barrar o avanço do atraso. 

Sem mandato, Bolsonaro terá que se preocupar com os processos judiciais contra os crimes que cometeu, não terá força nem moral para comandar sua tropa bolsonarista no Congresso que, desmobilizada, terá que jogar dentro do campo democrático. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247