Se Lula ganhar, é guerra santa no outro dia. Se perder, acabou-se o Brasil

"Temos, agora, menos de um mês para decidir o que queremos", escreve o jornalista Gilvandro Filho

www.brasil247.com - Lula, Bolsonaro e urna eletrônica
Lula, Bolsonaro e urna eletrônica (Foto: Ricardo Stuckert | Clauber Cleber Caetano/PR | REUTERS/Amanda Perobelli | Agência Brasil)


Por Gilvandro Filho, para o 247

Seja no Senado Federal, seja na Câmara dos Deputados, o bolsonarismo sai dessas eleições com a cabeça do país numa bandeja de prata e com uma guilhotina armada para decepar a Democracia. Neste segundo turno, mais que em qualquer outro momento recente da vida brasileira, as forças progressistas, leia-se Luiz Inácio Lula da Silva, precisam ganhar a parada. O risco, do contrário, será um país irremediavelmente mergulhado nas trevas e um destino fantasmagórico a assolar o seu povo.

Festa estranha de gente esquisita, como um dia, profeticamente, cantou Renato Russo. Foi isto que as urnas de 2022 nos legaram. Claro que há exemplos notáveis de esperança e de boa política, representadas por mulheres e homens dignos e valentes que serão de extrema utilidade ao futuro (façamos figa!) Governo Lula. Existe, sim, essa bancada “do bem” - nada a ver com os “homens de bem”, armados, com sangue nos olhos e tão mal cantados pela extrema direita.

Para não ser injusto pelo esquecimento, louve-se, como exemplo, a alvissareira eleição da brava e necessária Luiza Erundina, ex-prefeita de São Paulo e deputada federal a partir de 2023.

Mas, pelo lado do bolsonarismo, vamos combinar, a coisa está muito feia. Suficiente seria citar os 20 de 27 senadores eleitos – dos quais, quatro ministros e um vice-presidente da República - e os mais de 100 deputados federais com o “minto” aliados. Sobre estes, a vontade é não citar nenhum deles, pelo tsunami de nomes tão letais quanto as ondas gigantes. Mas, tal desejo cai por terra por estapafúrdias vitórias como a do General Pazzuelo, de horrenda memória no Ministério da Saúde, em dias tenebrosos de pandemia, de negacionismo e de negociações suspeitas na compra de vacinas.

O que vive hoje o Brasil será, no futuro, motivo de estudos para assustados pesquisadores. Estudarão um país onde viviam boas pessoas, em sua maioria. Mas, um lugar que, de uns tempos em diante (2013.. 2016...), tornou-se berço esplêndido de filhos odientos que enlameavam de sangue o solo pátrio sem que a mãe gentil nada pudesse fazer.

Caminhamos para tempos mais que sombrios. Aterrorizantes. O comportamento do bolsonarista médio impregna de maneira extremamente competente o percentual da população que chama o líder deles de “mito”. É gente  que não aceita que as pessoas cuidem de suas próprias vidas. Uma parcela da população que tem o DNA da homofobia, do preconceito, da misoginia. Um comportamento insano que atinge, em particular, quem não pensa do mesmo modo que essa turba; as mulheres que não aceitam submissão ao homem; os LGBTQIA+ que querem o direito legítimo de amar e de viver; os que defendem e fazem Cultura para todos; as meninas de 10 anos que foram estupradas e querem fazer aborto permitido por lei; os não evangélicos da turma dos pastores milionários; os não armamentistas e que querem a paz.

Há remédio para isso? Claro! Começa por este segundo turno e por uma vitória esmagadora e significativa dos que tem como norte a Democracia e a Constituição de 1988. Esse povo democrata, maioria dos brasileiros, vota em Lula. E Lula ganhando, é guerra santa contra o bolsonarismo, no dia seguinte.

Fora disso, o caos, o arbítrio, a perseguição a níveis inimagináveis. Temos, agora, menos de um mês para decidir o que queremos.

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247