Temporada de caça a Lula e à sua família II

Numa leitura honesta depreende-se que os Ilustres Promotores aproveitaram um bom trabalho de investigação realizado em face das ações dos dirigentes da BANCCOP e da OAS que teriam prejudicado milhares de pessoas e "deram um jeito de encaixar" denuncia "sem pé nem cabeça" contra um dos cooperados pela simples razão dele ser ex-presidente da república

Numa leitura honesta depreende-se que os Ilustres Promotores aproveitaram um bom trabalho de investigação realizado em face das ações dos dirigentes da BANCCOP e da OAS que teriam prejudicado milhares de pessoas e "deram um jeito de encaixar" denuncia "sem pé nem cabeça" contra um dos cooperados pela simples razão dele ser ex-presidente da república
Numa leitura honesta depreende-se que os Ilustres Promotores aproveitaram um bom trabalho de investigação realizado em face das ações dos dirigentes da BANCCOP e da OAS que teriam prejudicado milhares de pessoas e "deram um jeito de encaixar" denuncia "sem pé nem cabeça" contra um dos cooperados pela simples razão dele ser ex-presidente da república (Foto: Pedro Maciel)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Algumas vezes odeio estar certo... Escrevi e o 247 publicou em 31 de Janeiro desse ano um artigo que chamei de "Temporada de caça a Lula e a sua família" e lá registrei que estamos vivendo mais um pacto da elite que busca, com o diligente concurso de parcela da mídia, desqualificar o governo, suas realizações e conquistas e criminalizá-lo, apear a presidente da república, bem como criminalizar o PT e Lula.

Li no CONJUR a denuncia apresentada pelo MP Paulista contra dezesseis pessoas . Dentre os denunciados estão o ex-presidente Lula, sua mulher e seu filho mais velho. Fazia tempo que eu não lia uma peça tão medíocre, tão parcial e tão "montada", a denuncia representa em si enorme constrangimento ao Ministério Público do Estado de São Paulo

Numa leitura honesta depreende-se que os Ilustres Promotores aproveitaram um bom trabalho de investigação realizado em face das ações dos dirigentes da BANCCOP e da OAS que teriam prejudicado milhares de pessoas e "deram um jeito de encaixar" denuncia "sem pé nem cabeça" contra um dos cooperados da BANCCOP pela simples razão dele ser ex-presidente da república.

Na denuncia os promotores concluem que um esquema criminoso foi perpetrado pelo núcleo BANCOOP e repetido pelo núcleo OAS depois que a empresa assumiu os empreendimentos, inclusive durante o período do próprio processo criminal, que o tal esquema gerou sofrimentos, angústias e decepções de toda sorte a 7138 famílias. Na denuncia afirmam que há um total de 3110 unidades em empreendimentos inacabados e outras 3182 unidades em empreendimentos concluídos, mas que todos teriam sido submetidos a diversas ações por parte da BANCOOP e da OAS as quais caracterizariam "inúmeros estelionatos" (sic).

E afirmam os promotores que o Ex-Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva teria sido "presenteado e paparicado" com um triplex na beira da praia caracterizando autêntica lavagem de dinheiro. Patético isso, em primeiro lugar porque Lula resgatou o investimento ao invés de escolher um dos apartamentos, noutras palavras: não é dele o apartamento; e, em segundo lugar, porque não consta que o diligente MP Bandeirante tenha qualificado os outros cooperados que receberam imóveis como delinqüentes...

O MP admite que não haja provas concretas de que o ex-presidente Lula seja dono do apartamento no Guarujá, alvo de investigação, mas mesmo assim pediu a prisão preventiva de Lula.

Creiam: a denuncia contra Lula e sua família é potencialmente inepta e mais, penso que não estão presentes os fundamentos que autorizariam o deferimento pedido de prisão preventiva. Temos de lembrar que o Ministério Público Federal e a Polícia Federal fizeram buscas e apreensões muito recentemente buscando provas, havendo evidente precipitação dos não tão jovens promotores paulistas, além de um provável desejo de constranger o ex-presidente, sua família, tudo para garantir público ao ato de domingo, uma verdadeira irresponsabilidade e instrumentalização de função de Estado com viés ideológico e até partidário, postura imoral e nada republicana.

Vivemos um momento incomum na vida nacional, em que é necessária prudência e lembrarmos que quando, enfim, os bacharéis mais reacionários ocuparam o poder com os militares, coube-lhes encontrar as fórmulas jurídicas para defender o estupro do Estado de Direito, como registrou Mauro Santayana.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email