CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Bepe Damasco avatar

Bepe Damasco

Jornalista, editor do Blog do Bepe

580 artigos

blog

"Tempus Veritatis" sepulta de vez os restos mortais da Lava Jato

"Nem é preciso ser da área do direito para perceber a diferença de métodos entre o que se vê hoje e o que ocorria em um passado recente", diz Bepe Damasco

Jair Bolsonaro e Mauro Cid (Foto: ABr | Agência Senado )
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

A operação "Tempus Veritatis", que expôs ao Brasil uma enorme gama de evidências, indícios robustos de prova e provas materiais em profusão contra Bolsonaro e seus formuladores e operadores golpistas, também teve como efeito colateral sepultar de vez os restos mortais da Lava Jato.

Nem é preciso ser da área do direito para perceber a diferença gritante de métodos entre o que se vê hoje no Brasil e o que ocorria em passado recente, quando a violação de direitos era aplaudida por amplos setores da sociedade. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A polícia judiciária atual segue o manual básico do estado de direito democrático, que é usar delações, como a do tenente-coronel Mauro Cid, como ponto de partida. Coisa bem simples: a partir do conteúdo da delação, os investigadores entram em campo para corroborar ou não, através da obtenção de provas, a veracidade da colaboração. 

Modus operandi diametralmente oposto ao da República de Curitiba, que prendia suspeitos por tempo indeterminado, providenciava logo condenações de prisão por longos anos em primeira instância, submetendo o réu a uma espiral de tortura psicológica e desalento que o fazia delatar.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Mas não era qualquer delação. Tinha que envolver os inimigos da Lava Jato, leia-se líderes da esquerda brasileira, ou empresários sobre os quais se pudesse imputar ligações não republicanas com integrantes do Partido dos Trabalhadores e aliados. 

Aí girava a roda da aberração processual: as revelações dos "colaboradores" bastavam para se efetuar novas conduções coercitivas, prisões e condenações, na imensa maioria dos casos sem quaisquer elementos de prova.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Com forte apoio midiático da classe média lacerdista de sempre e até do povão submetido a um massacre de informações fraudulentas, Moro e os procuradores de Curitiba sequer se davam ao trabalho de aprofundar investigações. A mera citação em uma delação pavimentava o caminho para a cadeia. 

Deu no que deu, mas hoje a banda toca outra música.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Mauro Cid revelou para os federais que Bolsonaro tramava o golpe com as cabeças coroadas de seu governo?

A PF conseguiu um vídeo no qual o ex-presidente e a cúpula de seu governo tratavam da dinâmica do golpe. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cid revelou a participação de militares de alta patente nas articulações golpistas?

A PF obteve troca de mensagens em que fardados da ativa e da reserva conspiram de forma escrachada a destruição do regime democrático, além de pressionarem e ameaçarem os comandantes legalistas. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cid forneceu mais detalhes sobre a minuta do golpe?

A PF correu atrás e conseguiu provas de que, além do ex-ministro da Justiça, Anderson Torres, também Filipe Martins, então assessor para assuntos internacionais de Bolsonaro, teve papel destacado na circulação do documento.

Cid abriu o jogo a respeito dos planos para prender autoridades, como os ministros do STF Alexandre de Moraes e Gilmar Mendes, e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco?

O confisco do celular do ex-ajudante de ordens de Bolsonaro não só confirmou a trama de submundo, como mostrou que os passos de Moraes foram monitorados.

E vem muito mais por aí.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO