Alvarez & Marsal, que contratou Moro, recebeu R$ 40 milhões de empresas alvos da Lava Jato

Inquérito do Tribunal de Contas da União expõe o conflito de interesses do ex-juiz parcial na atuação para a Alvarez & Marsal

www.brasil247.com - Sergio Moro e Alvarez & Marsal
Sergio Moro e Alvarez & Marsal (Foto: ABr | Reprodução)


Conjur - A consultoria Alvarez & Marsal, para a qual Sergio Moro foi trabalhar depois que deixou o governo Bolsonaro, informou ao Tribunal de Contas da União que 75% de todos os honorários que recebe no Brasil são provenientes de empresas investigadas pela "lava jato".

Segundo reportagem da revista Veja, nos últimos anos a consultoria recebeu quase R$ 42,5 milhões de empresas pilhadas pela atuação de Sergio Moro e do Ministério Público Federal: R$ 1 milhão por mês da Odebrecht e da Atvos (antiga Odebrecht Agroindustrial); R$ 150 mil da Galvão Engenharia; R$ 115 mil do Estaleiro Enseada (que tem como sócias Odebrecht, OAS e UTC); e R$ 97 mil da OAS.

O TCU recebeu essas informações no bojo da investigação da atuação de Moro: suas decisões, como juiz, ajudaram a colocar as empresas em situação financeira delicada; alguns anos depois, ele passou a trabalhar na consultoria responsável pela condução de várias dessas recuperações judiciais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo a revista Veja, no entanto, a Alvarez & Marsal não quer informar ao TCU quanto pagou a Moro no período em que ele trabalhou lá. A consultoria teria dito que não considera o TCU o órgão competente para investigar uma relação privada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Publicamente, a empresa garante que Moro nunca trabalhou diretamente para nenhuma das empresas que ajudou a afundar. Já Sergio Moro, quando questionado, desconversa e diz que vai divulgar as informações sobre sua remuneração "no momento oportuno".

Investigação no TCU

A pedido do subprocurador Lucas Rocha Furtado, o TCU abriu procedimento para investigar a ida de Moro para a Alvarez & Marsal. O conflito ético é evidente, mas o TCU investiga também se houve proveito econômico.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em dezembro do ano passado, o ministro Bruno Dantas ordenou que a consultoria revele quanto pagou ao ex-juiz quando ele deixou a empresa. Também mandou a empresa apresentar todos os processos de recuperação em que atuou no período da "lava jato", para que seja possível acompanhar a evolução dos negócios. O ministro garantiu ao MP junto ao TCU acesso integral aos contratos.

A investigação acabou atiçando amigos do ex-magistrado. O procurador Júlio Marcelo de Oliveira, fã declarado de Moro, pediu para participar do processo como custos legis, colocando em xeque a atuação de Lucas Furtado. Bruno Dantas negou o pedido. "Enfatizo que simpatia pessoal ou convergência ideológica não se confundem com interesse público", ressaltou na decisão.

Também saiu em defesa de Moro o senador Alessandro Vieira, do Cidadania (partido que está negociando formar uma federação com o Podemos de Moro). Vieira fez uma representação contra Bruno Dantas por suposto abuso de autoridade, mas sem qualquer legitimidade: os crimes de abuso são de ação penal pública incondicionada, ou seja, só o Ministério Público poderia denunciá-los.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email