Após reação de reitores, MEC recua e desiste de retorno das aulas presenciais em janeiro

"Quero abrir uma consulta pública para ouvir o mundo acadêmico. As escolas não estavam preparadas, faltava planejamento", admitiu o ministro da Educação, Milton Ribeiro

Milton Ribeiro
Milton Ribeiro (Foto: Isac Nóbrega/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Ministério da Educação decidiu revogar a portaria que determinava o retorno das aulas presenciais das universidades a partir de janeiro. A informação é do próprio ministro, Milton Ribeiro, que em entrevista à CNN disse que irá abrir uma consulta pública para ouvir o mundo acadêmico antes de tomar nova decisão.

"Quero abrir uma consulta pública para ouvir o mundo acadêmico. As escolas não estavam preparadas, faltava planejamento", admitiu o ministro.

A decisão veio depois da reação de reitores de diversas universidades federais do país que anunciaram que não iriam cumprir a determinação do ministério. O reitor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), João Carlos Salles, classificou como "absurda" a volta às aulas presenciais. "É um absurdo completo", disse ele, acrescentando que não acatará a decisão. "Nossa resolução define que o próximo trimestre será não presencial com a possibilidade de atividades presenciais contanto que não seja colocada em risco a vida de nossa comunidade", salientou.

Apesar de afirmar que fará uma consulta pública junto aos reitores, o ministro disse que consultou mantenedoras de universidades antes de publicar a portaria e que não esperava tanta resistência. "A sociedade está preocupada, quero ser sensível ao sentimento da população", disse.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247