Eduardo Moreira: mídia vendida esconde mensagens de Moro e Dallagnol

"Um dos maiores escândalos da história deste país. Recebem somente notas de rodapé da vergonhosa 'grande mídia', vendida, brasileira", afirmou o economista Eduardo Moreira sobre a cobertura de imprensa tradicional acerca das várias condutas ilegais da Lava Jato que vêm sendo reveladas, conforme demonstram conversas entre Sérgio Moro e procuradores do MPF-PR

(Foto: Felipe L. Gonçalves/Brasil247 | ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O economista Eduardo Moreira criticou a cobertura de imprensa tradicional sobre os diálogos entre Sérgio Moro e os procuradores da  Lava Jato, com várias ilegalidades da operação, como demonstram as conversas.

"As mensagens revelando as mensagens de Deltan e Moro mereciam capas de jornais, portais e revistas. Um dos maiores escândalos da história deste país. Recebem somente notas de rodapé da vergonhosa 'grande mídia', vendida, brasileira", escreveu o estudioso no Twitter.

Um das mais recentes ilegalidades foi revelada após a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter acesso aos diálogos, após autorização do Supremo Tribunal Federal. Deltan Dallagnol deixou clara a sua parcialidade. "O material que o Moro nos contou é ótimo. Se for verdade, é a pá de cal no 9 e o Márcio merece uma medalha", disse o procurador. 

Outras mensagens trocadas entre Moro e procuradores devem ser reveladas. Em sua conta no Twitter, o jornalista Leandro Demori destacou que o acervo com a defesa de Lula é bem maior do que a Vaza Jato.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email