Ex-ombudsman do Itaú diz que “uma empresa séria demitiria” o presidente da Caixa

Na festa de fim de ano da estatal, Guimarães fez gerentes e lideranças da instituição fazerem flexões e darem cambalhotas

Jair Bolsonaro e Pedro Guimarães
Jair Bolsonaro e Pedro Guimarães (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Guilherme Amado, do Metrópoles - O ex-ombudsman do Itaú Deives Rezende, que hoje é CEO e fundador da Condurú Consultoria, disse que as condutas do presidente da Caixa Econômica Federal Pedro Guimarães na festa de fim de ano do banco resultariam em uma demissão numa empresa séria e fiel ao seu código de conduta.

Na festa de fim de ano da estatal, Guimarães fez gerentes e lideranças da instituição fazerem flexões comandadas por um general e darem cambalhotas acompanhadas por uma ginasta profissional. Um dos vice-presidentes que deu cambalhota é oficialmente reconhecido pela estatal como uma pessoa com deficiência.

continua após o anúncio

À coluna, Rezende disse que a cena, que consistia na humilhação dos funcionários, causou-lhe “embrulho no estômago”. Também pontuou que os gestores e o alto escalão da Caixa podem se sentir submissos à conduta de Guimarães e por isso acataram as gincanas consideradas por ele abusivas.

“As pessoas provavelmente não tiveram coragem de largar seus bonés e irem embora diante daquela cena de assédio moral, que se caracteriza por tudo que aconteceu, exposição, constrangimento, pela humilhação e pela repetição”, explicou o ex-Ombudsman, que hoje é dono da Condurú Consultoria e possui 40 anos de experiência em ética no mercado financeiro e em outras empresas.

continua após o anúncio

Leia a reportagem completa no Metrópoles.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247