Operação contra empresários golpistas foi pedido da PF e busca revelar patrocínio a atos antidemocráticos

A PF cumpriu mandados de busca e apreensão. Empresários tiveram contas bloqueadas e sigilos quebrados e prestarão depoimentos

Alexandre de Moraes
Alexandre de Moraes (Foto: Antonio Augusto/Secom/TSE | Polícia Federal)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - A operação desta terça-feira (23) da Polícia Federal partiu de um pedido da própria instituição e foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes. A Procuradoria-Geral da República (PGR) foi instada a acompanhar e sugerir diligências. 

Segundo a CNN Brasil, o objetivo central da ação é descobrir se os empresários financiaram ou estão financiando atos antidemocráticos.

continua após o anúncio

Em um grupo de WhatsApp, os empresários investigados defenderam um golpe de Estado caso o ex-presidente Lula (PT) vença a eleição.

Moraes expediu mandados de busca e apreensão e bloqueou as contas bancárias dos empresários, bem como seus acessos às redes sociais. O ministro também autorizou a quebra dos sigilos bancários e a tomada de depoimentos dos envolvidos.

continua após o anúncio

Veja as manifestações das defesas dos empresários:

Luiz André Tissot: não vai se manifestar

continua após o anúncio

Ivan Wrobel: “tem um histórico de vida completamente ligado à liberdade. (...) Colaboraremos com o que for preciso para demonstrar que as acusações contra ele não condizem com a realidade dos fatos.

Luciano Hang: “sigo tranquilo, pois estou ao lado da verdade e com a consciência limpa. (…) Em minhas mensagens em um grupo fechado de WhatsApp está claro que eu nunca, em momento algum falei sobre golpe ou sobre STF".

continua após o anúncio

Afrânio Barreira Filho: “absolutamente tranquilo, pois minha única manifestação sobre o assunto foi um 'emoji' sinalizando a leitura da mensagem, sem estar endossando ou concordando com seu teor. (...) Confio na justiça e vamos provar que sempre fui totalmente favorável à democracia". “A operação de hoje é fruto de perseguição política e denúncias falsas, as quais não tem nenhum fundamento. Afrânio Barreira está absolutamente tranquilo e colaborando com a busca da verdade, a qual resultará rapidamente no arquivamento da investigação”, afirmou o advogado.

Marco Aurélio Raymundo, o Morongo: ele “de fato foi contatado hoje pela Polícia Federal, ainda desconhece o inteiro teor do inquérito, mas se colocou e segue à disposição de todas autoridades para esclarecimentos”.

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247