CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Ideias

Os judeus e os sionistas

Devemos estar atentos às muitas reivindicações falsas de racismo por parte de colonizadores que sempre foram os piores propagadores do racismo e de suas consequências mortais

Protesto contra Netanyahu (Foto: Sputnik)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Por Tim Anderson – Uma senhora palestina idosa se aproximou de mim em uma conferência no Líbano e disse: “Eu entendo o que você está dizendo sobre a diferença entre judeus e sionistas, mas para nós eles sempre foram apenas os judeus.” Isso chamou minha atenção para o que deveria ser óbvio: palavras têm significados distintos em diferentes culturas e contextos.

Como pessoa com sensibilidades europeias, eu estava ciente da história europeia do preconceito anti-judaico e do racismo, que veio a ser chamado de antissemitismo. Este preconceito desenvolveu-se nos impérios cristãos da Europa, emergindo como repressão violenta durante suas purgas e inquisições, e culminando na tentativa de genocídio dos judeus europeus pela Alemanha nazista e seus aliados.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

As sensibilidades europeias fizeram com que muitos de nós distinguissem entre pessoas judias e sionistas, mesmo que, desde o final da década de 1940, a maioria dos judeus europeus provavelmente tenha passado a apoiar a colônia judaica na Palestina. Em 2024, isso pode estar mudando.

Quão diferente era a situação no mundo árabe, onde não houve perseguição sistemática de pessoas judias e, pelo contrário, em lugares como o Iraque, uma longa história de coexistência religiosa pacífica.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

No entanto, após a Segunda Guerra Mundial, uma aliança de governos britânicos e franceses, com os sionistas europeus, promoveu uma migração em massa de judeus europeus para a Palestina. A princípio, apresentando-se como refugiados, os sionistas logo impuseram sua reivindicação, apoiada pelos britânicos, a grandes partes da Palestina, afirmando que essas terras "pertenciam aos judeus". Essas reivindicações não se limitaram à Palestina, já que as ideias de Herzl de uma 'Grande Israel' se estendiam "Do Riacho do Egito [Nilo] até o Eufrates". "Os judeus" era como os sionistas se apresentavam para os povos árabes indígenas da região.

Em muitos casos, os israelenses não se chamavam de sionistas, talvez um pouco envergonhados da fantástica mitologia sionista que pretende uma fundamentação escritural para a colonização; eles eram israelenses ou os judeus, mas a maioria deles aceitava prontamente um privilégio israelense, como uma espécie de compensação pelos crimes contra a geração de seus avós na Europa.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Até hoje, os sionistas apresentam o regime israelense como representante de uma nação de pessoas judias em todo o mundo, embora muitos milhares de pessoas judias que dizem "não em nosso nome" rejeitem o regime racista e sua desapropriação e crueldade contra o povo palestino, enquanto muitos grupos religiosos hassídicos nunca aprovaram um estado judeu.

No entanto, os sionistas tentam desfocar qualquer distinção entre pessoas judias e israelenses, e os povos árabes da região ainda se referem principalmente aos colonos israelenses como 'Os Judeus'. Assista a vídeos da Palestina e você verá crianças e adultos se referindo mais frequentemente ao exército israelense como 'Yehud' do que 'Israel'.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

É nesse contexto que também devemos entender os slogans de Ansar Allah, o partido iemenita no poder, que não apenas pedem 'morte a Israel', mas também acrescentam 'uma maldição aos judeus'. Escritores sionistas atacam Ansarallah do Iêmen por este slogan de “maldição aos judeus”, alegando que isso é algum tipo de preconceito essencialista ou anti-judaico no estilo europeu, minimizando assim a ligação com a colonização judaica de terras árabes. Isso é desonesto.

Na época da escrita, o regime israelense não apenas ocupava toda a Palestina histórica e partes do Líbano e da Síria, mas também a Ilha de Socotra do Iêmen. Deveria ser óbvio que os iemenitas estão se referindo aos colonos judeus, contra os quais agora (início de 2024) travam guerra e impõem um bloqueio naval, para defender o povo árabe de Gaza e da Palestina.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Racismo e Antissemitismo – Nunca gostei do termo "os judeus" porque parece denotar um povo essencialmente distinto, até mesmo uma "raça" mítica. Essa noção foi criada por ideologias racistas sucessivas, nos tempos modernos dos regimes nazistas e, em seguida, dos próprios sionistas. A 'ciência' racial passou a obcecar muitos sionistas, assim como os perseguidores alemães dos judeus. No entanto, sabemos que, geneticamente, a maioria dos judeus é etnicamente europeia. Não há DNA ou etnia judaica distintos. Mesmo Ashkenazi, por exemplo, é apenas uma região onde houve conversões em massa ao judaísmo.

Na Alemanha no início da década de 1930, a maioria dos judeus se considerava "cidadãos alemães de fé judaica". Os principais grupos judeus instaram um boicote ao regime nazista recém-eleito, enquanto os relativamente impopulares sionistas rejeitaram isso, criando em vez disso um Acordo de Transferência tributado com os nazistas (através do Escritório Haavara baseado em "Tel Aviv") para enviar capital e pessoas para a Palestina. Somente após a Segunda Guerra Mundial e imagens dos campos de extermínio é que judeus liberais passaram a apoiar mais amplamente a criação de um estado judeu na Palestina, embora alguns, incluindo Albert Einstein, ainda tivessem preocupações muito profundas sobre o caráter fascista dos líderes sionistas.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Como a 'Declaração de Durban' das Nações Unidas, 'Conferência Mundial Contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Relacionada' agora esclarece, não existe tal coisa como "raças" humanas separadas, isso é uma construção social para os propósitos de essencializar (então se colocando como superior ou inferior) comunidades específicas, seja com base em etnia, religião ou outros fatores. Onde o Tratado de Discriminação Racial de 1965 (CERD) denunciou "qualquer doutrina de superioridade baseada em diferenciação racial [como] cientificamente falsa, moralmente condenável, socialmente injusta e perigosa", a Declaração de Durban de 2002 disse no Artigo 7: "Qualquer doutrina de superioridade racial é cientificamente falsa, moralmente condenável, socialmente injusta e perigosa, e deve ser rejeitada junto com teorias que tentam determinar a existência de raças humanas separadas."

Então, raça é uma ficção, mas o racismo certamente existe e foi praticado contra muitas comunidades racializadas, geralmente durante um período de colonização para ajudar a justificar a repressão e o roubo de terras indígenas. Nesse sentido, o racismo da Alemanha nazista foi direcionado principalmente às populações eslavas (especialmente russos), cujas terras estavam destinadas a serem colonizadas, mas também a judeus e outras populações internas (como os Roma) que eram consideradas minar ou trair a missão nazista de cultivar e impor sua 'raça ariana' superior.

Na acepção clássica, a ideologia sionista é um típico gerador de racismo, afirmando um grupo privilegiado de pessoas (principalmente europeias) que têm o direito de reivindicar uma terra que era ou "vazia" ou habitada por povos indígenas subumanos. A resistência desses povos é um 'terrorismo' criminoso que deve ser exterminado por limpezas étnicas e operações genocidas. A criminalidade dessas operações é de alguma forma mitigada ou encoberta pela ideologia racista.

O acadêmico polonês Raphael Lemkin, que cunhou o termo genocídio, escreveu na década de 1920 sobre os massacres otomanos de armênios e outros cristãos durante a Primeira Guerra Mundial. Ele falou deste genocídio imperial como um "padrão recorrente da história", antes de seu famoso livro de 1944 'Regra do Eixo na Europa Ocupada'. A imagem de povos subjugados como subumanos foi usada pela maioria dos impérios e colonizadores para justificar suas operações genocidas.

Nesta tradição, os colonos israelenses, eles mesmos os propagadores de um profundo racismo contra os povos árabes indígenas, tentaram 'armar' acusações de preconceito anti-judaico como um escudo contra críticos da colônia judaica. No entanto, a acusação de 'antissemitismo', que os sionistas lançam contra praticamente qualquer crítico dos crimes israelenses, tem um significado muito diferente entre europeus e árabes. Para os europeus, significa uma espécie de preconceito anti-judaico que pode estar ligado aos crimes racistas dos regimes europeus. Para os árabes, ou povos da Ásia Ocidental, é um slogan inconsequente destinado a justificar o privilégio colonial.

Este 'antissemitismo' pode ser um preconceito, mas é um preconceito subalterno fundamentado na subjugação colonial e destinado àqueles que praticam violência colonial, como disse a especialista da ONU Francesca Albanese sobre a violência de resistência de 7 de outubro de 2023, citada no início deste artigo. Não tem nenhuma ligação real com os crimes históricos europeus. Atacar o preconceito contra judeus no contexto palestino e árabe é como atacar outras formas de preconceito indígena contra europeus e pessoas brancas. Tais ataques verbais têm pouco substância e só servem para encobrir o racismo substancial dos colonizadores.

Vamos também considerar por um momento que o termo antissemitismo em si é eurocêntrico. Judeus europeus foram apresentados por teóricos raciais como estranhos com alguns vínculos com o 'Oriente Médio', uma ficção que os sionistas vieram a adotar. Na realidade, os povos semitas são os de vários grupos linguísticos no Oriente Médio e no Norte da África (MENA), principalmente árabe e amárico, mas também hebraico (uma língua antiga ressuscitada para a colônia judaica). No contexto da MENA, a acusação de antissemitismo contra os árabes (eles próprios semitas) é um absurdo.

Rotular prontamente qualquer crítica à colônia israelense como 'antissemitismo' foi chamado de "truque" pela ex-ministra do governo israelense Shulamit Aloni. "O antissemitismo é um truque. Nós sempre o usamos." É um truque em que foi investido muito esforço. Por exemplo, a Aliança Internacional para a Lembrança do Holocausto (IHRA), supostamente criada para "promover a educação, a lembrança e a pesquisa" sobre os crimes cometidos contra os judeus europeus, apresentou uma "definição" sugerida de preconceito anti-judaico.

Essa "definição de trabalho de antissemitismo" começa plausivelmente, mas depois se concentra em quase qualquer referência crítica à colônia israelense. Este escritor já denunciou essa 'definição de trabalho'. A história, os mitos e os males do racismo anti-judaico europeu certamente merecem atenção. Mas o racismo mais amplo vem do imperialismo e do colonialismo. Vincular a crítica ao regime israelense, essencialmente colonial e racista, ao racismo anti-judaico é uma travessura.

Claro, os sionistas querem as duas coisas. Depois de eles próprios equipararem os judeus a "Israel", eles ficam furiosos se aqueles críticos de "Israel" vincularem isso aos judeus. No entanto, nós que mantemos a distinção politicamente correta (europeia) entre judeus e sionistas nunca estamos imunes de acusações fabricadas de 'antissemitismo'. Pode até haver um caso para examinar a responsabilidade da comunidade judaica por sua colaboração com os crimes do regime sionista, assim como historiadores judeus questionaram a sociedade alemã por sua colaboração e cumplicidade nos crimes do regime nazista. Por enquanto, essa questão é respondida pelos milhares de manifestantes judeus que denunciaram o massacre israelense em Gaza, dizendo "não em nosso nome".

No contexto dos terríveis massacres racistas de pessoas palestinas em Gaza ao longo de 2023-2024 - chamados de "caso típico de genocídio" tanto pelo estudioso do holocausto Raz Segal quanto pelo especialista em direitos humanos da ONU Craig Mokhiber - o estudioso judeu Norman Finkelstein, que há muito tempo argumenta que a memória do genocídio judeu estava sendo politicamente explorada por "Israel", é relatado como dizendo que "o maior insulto à memória do holocausto não é negá-lo, mas usá-lo como desculpa para justificar o genocídio do povo palestino".

Antissemitismo Sionista – Abusos cínicos como esses pelo regime israelense, e ataques a historiadores judeus anti-sionistas como Illan Pappe e Norman Finkelstein, devem nos ajudar a refletir sobre a substancial rejeição judaica ao sionismo e ao abuso sionista do povo judeu.

O jornalista britânico Alan Hart, em seu livro de 2005 'Sionismo: o Verdadeiro Inimigo dos Judeus', argumentou que "o moderno estado de Israel, filho do sionismo político, tornou-se seu pior inimigo e uma ameaça não apenas para a paz da região e do mundo, mas também para os melhores interesses dos judeus em todos os lugares e para a integridade moral do próprio judaísmo." O sionismo precisava e queria "fazer os judeus israelenses sentirem-se ameaçados", ele disse. De fato, o historiador britânico-iraquiano-judeu Avi Shlaim escreve que, na década de 1950, "o Mossad realizou bombardeios para expulsar os judeus [árabes] do Iraque e acelerar sua transferência para Israel".

A ideia mesmo de um estado judeu na Palestina, pretendida pelos britânicos para formar uma "pequena Ulster judia leal [o enclave da Irlanda do Norte] em um mar de arabismo potencialmente hostil", também foi dita ser um dispositivo para remover a ameaça percebida dos judeus do leste europeu, muitos dos quais [como Karl Marx e Leon Trotsky] eram comunistas. Os sentimentos antijudeus na Europa frequentemente eram politizados e não se limitavam à Alemanha nazista.

Arthur Balfour, que fez a famosa 'Declaração a Lord Rothschild', dizia-se que fazia parte de uma elite anti-judaica britânica que apoiava a colônia sionista como um meio de diminuir a população judaica europeia. Em contraste, Edwin Samuel Montagu, o único membro judeu do gabinete de Lloyd George e apenas o terceiro ministro judeu na história britânica, se opunha fortemente ao sionismo e à ideia de uma colônia judaica na Palestina. Ele disse: "Quero deixar registrado minha visão de que a política do governo de Sua Majestade é antissemita e, como resultado, se provará um ponto de apoio para antissemitas em todos os países do mundo... Assumo que [isso] significa que maometanos e cristãos devem ceder lugar aos judeus e que os judeus devem ocupar todas as posições de preferência e devem ser associados de forma peculiar com a Palestina da mesma maneira que a Inglaterra é com os ingleses ou a França com os franceses... [para que] os judeus, daqui em diante, sejam tratados como estrangeiros em todos os países, exceto na Palestina." O sionismo era visto como um meio de promover mais uma expulsão dos judeus europeus de seus próprios países.

O Bund Trabalhista Polonês, na década de 1930, também criticou os sionistas (impopulares entre os judeus na Alemanha e na Polônia naquela época) como "antissemitas sionistas" que promoviam a emigração enquanto fortaleciam as forças antissemitas na Polônia.

Por outro lado, o apoio a "Israel" nos EUA foi assumido por grupos supremacistas brancos, alguns dos quais (como os britânicos) também viam "Israel" como um amortecedor contra árabes e muçulmanos; por cristãos sionistas com uma visão apocalíptica da destruição dos judeus em "Israel" e outros que compartilhavam visões antijudaicas. Uma recente "Marcha por Israel" realizada em Washington em novembro de 2023 teve como destaque o evangelista cristão antijudaico John Hagee, mas não incluiu nenhum clero judeu.

Existem grupos religiosos judeus que sempre se opuseram ao estado supremacista judeu e fizeram causa comum com nacionalistas palestinos. O rabino Dovid Weiss da Neturei Karta diz: "O sionismo é a ideologia do estado de Israel, que tenta se apresentar como o estado judeu. Eles afirmam que representam a religião judaica, afirmam que estão falando em nome de Deus... Eles afirmam que são a voz ao redor do mundo do povo judeu que tem uma ligação com Deus ou a Torá. Isso não é verdade." Em março de 2024, o Congresso Rabínico Central, a maior instituição hassídica da América do Norte, emitiu uma "denúncia contundente" do sionismo "e de seus órgãos [como] ADL e AIPAC... Como judeus americanos, somos profundamente contrários à politização do antissemitismo. Além disso, chamar a atenção para cada infração mínima só gera mais ódio. O resultado é uma perda para nós e um ganho para as agências de imigração israelenses, [que] se beneficiam de qualquer aumento do antissemitismo na diáspora judaica." Sua declaração foi ignorada pela maioria da mídia ocidental.

Os sionistas tentam rotular judeus anti-sionistas, seculares ou religiosos, como "judeus que se odeiam", uma expressão que por si só foi chamada de antissemita. De fato, o filósofo esloveno Slavoj Žižek diz que o sionismo se tornou antissemita porque promove o ódio aos judeus anti-sionistas por meio da construção de estereótipos como o "judeu que se odeia". Portanto, o sionismo "se tornou uma das principais fontes de antissemitismo globalmente", conclui.

Desde o genocídio de Gaza de 2023-2024, as fileiras de judeus publicamente anti-sionistas cresceram enormemente. Milhares de judeus, sob os slogans 'Não em nosso Nome', 'Judeus contra a Ocupação', 'Voz Judaica pela Paz' e 'Nunca Mais Para Ninguém', acrescentaram suas vozes às manifestações de solidariedade mundial com os palestinos e contra o massacre em Gaza. Por sua vez, essas pessoas judias também foram abusadas por sionistas como "judeus que se odeiam".

Tais desenvolvimentos zombam da confusão entre sionismo e judaísmo, como sugerido pela terrível 'definição de trabalho da IHRA' do Antissemitismo. No entanto, essa confusão é aparente nos métodos da Liga Anti-Difamação (ADL) dos EUA, que finge registrar atos de ódio racial contra judeus. No entanto, como mostrado por seu relatório sobre o 'Clima no Campus antes e depois dos ataques terroristas do Hamas', seus dados são contaminados pela mistura de incidentes anti-judaicos reais com críticas a Israel.

Ao longo do relatório da ADL, há referência a supostamente "protestos anti-israelenses antissemitas", que fazem com que as pessoas (judeus e não judeus) se sintam "desconfortáveis com suas opiniões sobre Israel" e se sintam "menos seguras" se outros soubessem de sua "identidade judaica ou opiniões sobre Israel". Tudo isso já seria ruim o suficiente antes de outubro de 2023, mas falar disso como 'antissemitismo' após esse período, sem referência ao massacre israelense em Gaza, ridiculariza o relatório da ADL. Claramente, as manifestações mundiais em defesa de Gaza têm como objetivo condenar os crimes israelenses e aqueles que os apoiam. Os "incidentes antissemitas" da ADL também incluem os protestos de milhares de judeus anti-sionistas, que fizeram os sionistas se sentirem "desconfortáveis".

O escritor sionista Robert Goldberg afirma que intelectuais judeus anti-sionistas (como Peter Beinart, Dov Waxman, Uriel Abulof e Michael Barnett) são todos algum tipo de "quinta coluna" para o Hamas, que "busca eliminar de uma vez por todas o povo judeu". Goldberg está chateado porque essas pessoas apontam para a clarificação do Hamas em sua Carta de 2017 de que se opõe à colonização judaica e não à religião. O Hamas em 2017 afirmou "que seu conflito é com o projeto sionista e não com os judeus por causa de sua religião. O Hamas não luta contra os judeus por serem judeus, mas luta contra os sionistas que ocupam a Palestina. No entanto, são os sionistas que constantemente identificam o judaísmo e os judeus com seu próprio projeto colonial e entidade ilegal."

O Hamas distingue claramente entre judaísmo e colonização israelense, e esta é (pelo menos desde 2017) sua posição oficial e (desde o início) a de praticamente todos os líderes da resistência palestina. Seu problema é com o colonialismo, não com a religião. Por outro lado, os israelenses se tornaram grandes abusadores do povo judeu.

Devemos estar atentos às muitas alegações falsas de racismo pelos colonos que sempre foram os piores propagadores de racismo e suas consequências mortais.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Relacionados

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO