CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Meio Ambiente

Marina diz que é preciso caminhar para o fim do petróleo

Ministra foi questionada sobre a exploração de petróleo pela Petrobras na Margem Equatorial

Imagem Thumbnail
Marina Silva (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - A ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva, disse nesta quinta-feira (6) que é preciso caminhar para o fim da utilização desses combustíveis.

Marina foi indagada em entrevista à GloboNews sobre a exploração pela Petrobras de petróleo na Margem Equatorial, afirmando que não cabe à sua pasta a decisão sobre a exploração do recurso como estratégia econômica, mas sim avaliar a viabilidade ambiental.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Ela disse que o "compromisso assumido" de países produtores de petróleo na COP28 no ano passado foi fazer a transição energética para o fim do uso de combustíveis fósseis, tratando o processo como "dever de casa".

"O Ministério do Meio Ambiente não toma a decisão sobre a exploração de petróleo como uma estratégia econômica. Essa é uma decisão do Conselho de Política Energética. O ministério se debruça sobre a viabilidade ambiental, econômica e social."

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Desde o início do terceiro mandato de Lula, a questão da exploração de petróleo pela Petrobras na Margem Equatorial tem provocado divisão interna no Executivo, principalmente entre Marina e o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, que é favorável ao empreendimento.

Há cerca de um ano, o Ibama negou à Petrobras licença para perfurar na área, citando possíveis impactos sobre os grupos indígenas e o bioma costeiro. Dias depois, a Petrobras fez um pedido de reconsideração, com alterações em seu projeto.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

No mês passado, o Ibama se manifestou, exigindo uma série de estudos sobre impactos aos indígenas de Oiapoque, cidade amazônica que fica em frente a áreas onde a estatal deseja perfurar no litoral do Amapá, antes que o órgão ambiental possa analisar a viabilidade de seu projeto. (Com informações da Reuters). 

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

Relacionados

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO