CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mundo

Trump chega a tribunal de Nova York para enfrentar acusações criminais

Trump foi levado ao tribunal em uma carreata depois de deixar sua residência em Nova York na Trump Tower

Ex-presidente dos EUA Donald Trump chega a Trump Tower, em Nova York, EUA03/04/2023 (Foto: REUTERS/Jeenah Moon)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

NOVA YORK, 4 Abr (Reuters) - Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos e favorito à indicação republicana para 2024, chegou a um tribunal de Manhattan para ser formalmente acusado nesta terça-feira em um momento decisivo, enquanto seus apoiadores e detratores se reuniam ruidosamente do lado de fora .

 Trump, 76, é o primeiro presidente ou ex-presidente a enfrentar acusações criminais. Ele foi indiciado por um grande júri de Manhattan na semana passada em um caso decorrente de um pagamento de suborno em 2016 à estrela pornô Stormy Daniels , embora as acusações específicas ainda não tenham sido divulgadas.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

 Trump foi levado ao tribunal em uma carreata depois de deixar sua residência em Nova York na Trump Tower.

 Espera-se que Trump, que disse ser inocente e deve se declarar inocente, se entregue ao escritório do promotor distrital de Manhattan, Alvin Bragg , antes de um processo de acusação perante o juiz Juan Merchan . A acusação, na qual Trump estará no tribunal para ouvir as acusações e ter a chance de entrar com uma confissão, estava marcada para as 14h15 (18h15 GMT).

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

>>> Quem é Stormy Daniels e o que ela diz sobre sua relação com Trump

 "Hoje (terça-feira) é o dia em que um partido político governista PRENDE seu principal oponente por NÃO ter cometido CRIME", disse Trump, que voou de sua casa na Flórida para Nova York na segunda-feira, em um e-mail de arrecadação de fundos enviado na manhã de terça-feira.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

 Nas redes sociais, Trump antes da acusação renovou seus ataques a Merchan, que no ano passado também presidiu um julgamento no qual a imobiliária de Trump foi condenada por fraude fiscal.

 Trump, que foi presidente de 2017 a 2021, anunciou em novembro uma tentativa de reconquistar a presidência em 2024, em uma tentativa de negar ao presidente democrata Joe Biden, que o derrotou em 2020, um segundo mandato na Casa Branca.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

 Em um dia frio e ensolarado do início da primavera na cidade mais populosa dos Estados Unidos, apoiadores e detratores de Trump foram separados por barricadas montadas pela polícia para tentar manter a ordem, embora tenha havido alguns confrontos.

 "Vamos manter a civilidade, pessoal", disse um policial.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

 Centenas de apoiadores de Trump, em um parque em frente ao tribunal de Manhattan, aplaudiram e assobiaram, superando em número seus detratores. Os críticos de Trump seguraram cartazes, incluindo um de Trump vestido com um uniforme listrado de prisão atrás das grades e outro que dizia: "Tranque-o".

 Normalmente, as pessoas que enfrentam acusação têm impressões digitais e fotos tiradas. A aparição no tribunal provavelmente seria breve.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

 “Não será um longo dia no tribunal”, disse Joseph Tacopina, um dos advogados de Trump, à ABC.

 O Yahoo News informou na segunda-feira que Trump enfrentaria 34 acusações criminais por falsificação de registros comerciais.

 Qualquer julgamento está a pelo menos mais de um ano de distância, disseram especialistas jurídicos. Ser indiciado ou mesmo condenado não impede legalmente Trump de concorrer à presidência.

 Cinco fotógrafos serão admitidos no tribunal antes do início da acusação para tirar fotos por vários minutos. Os advogados de Trump pediram a um juiz que os mantivesse fora, argumentando que eles piorariam "uma atmosfera já quase circense".

 Bragg, um democrata que liderou a investigação, deveria dar uma entrevista coletiva após a acusação. Trump e seus aliados retrataram o caso como politicamente motivado.

 TRUMP EXIGE MUDANÇA DE LOCAL

 Em uma postagem na mídia social, Trump disse que o Tribunal Criminal de Manhattan era um "local muito injusto" e pediu que o caso fosse transferido para o bairro de Staten Island, em Nova York, que vota regularmente nos republicanos. Não ficou claro se os advogados de Trump argumentariam no tribunal na terça-feira por uma mudança de foro.

 Trump retornará à Flórida e fará comentários de seu resort em Mar-a-Lago às 20h15 de terça-feira (0h15 GMT de quarta-feira), informou seu gabinete.

 Entre os manifestantes pró-Trump estava Gina Witcher, 55, de Maryland.

 “Sentimos que esta é uma acusação muito assustadora”, disse Witcher, acusando os promotores democratas de perseguirem os conservadores por motivos políticos.

 Susan Cerbo, 55, moradora de Nova Jersey, usava um chapéu de caubói com a bandeira americana enquanto ela e sua irmã estavam nos degraus de uma igreja do outro lado da rua da Trump Tower segurando uma faixa "Trump for President".

 "Honestamente, ele é o alvo apenas porque é um candidato presidencial", disse Cerbo. "Se você pode fazer isso com ele com todo o seu dinheiro e poder, eles podem fazer isso com qualquer cidadão dos Estados Unidos."

 O morador de Manhattan Kim Britt, 69, estava entre os manifestantes anti-Trump.

 "Se alguém está acima da lei, não vamos chegar a lugar nenhum", disse Britt, segurando uma placa com os dizeres: "Tick Tock Time's Up!"

 Bragg enfrentou duras críticas de Trump. Seu escritório recebeu ameaças de bomba nas últimas semanas. Autoridades de segurança disseram que desconheciam ameaças críveis em torno da aparição de Trump no tribunal.

 A liderança de Trump aumentou sobre os rivais na disputa presidencial do Partido Republicano, de acordo com uma pesquisa Reuters/Ipsos divulgada na segunda-feira, realizada após a notícia de que ele enfrentaria acusações criminais.

 Cerca de 48% dos republicanos dizem que querem que Trump seja o candidato presidencial de seu partido, contra 44% no mês passado. O vice-governador da Flórida, Ron DeSantis, caiu de 30% para cerca de 19%. Mais de dois terços dos entrevistados disseram acreditar que Trump pagou silêncio a Daniels, mas metade disse que achava que as acusações tinham motivação política.

 TRUMP ENFRENTA VÁRIOS PROBLEMAS JURÍDICOS

 O grande júri de Manhattan que indiciou Trump ouviu evidências sobre um pagamento de US$ 130.000 a Daniels nos últimos dias da campanha presidencial de 2016. Daniels disse que foi paga para manter silêncio sobre um encontro sexual que teve com Trump em um hotel de Lake Tahoe em 2006.

 Trump nega um relacionamento sexual, mas reconheceu ter reembolsado seu ex-advogado pessoal Michael Cohen pelo pagamento. Em 2018, Cohen se declarou culpado de violações da lei federal de financiamento de campanha e foi condenado a três anos de prisão. Ele testemunhou na investigação de Manhattan no mês passado.

 Trump enfrenta uma investigação criminal separada por um promotor local democrata na Geórgia sobre se ele tentou ilegalmente anular sua derrota nas eleições de 2020 no estado. Ele também enfrenta duas investigações do Departamento de Justiça dos EUA lideradas por um advogado especial sobre os esforços para anular os resultados das eleições de 2020 e seu manuseio de documentos confidenciais após deixar o cargo.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO