Em audiência de custódia, Anderson Torres disse que nunca contestou resultado da eleição

O ex-secretário de Segurança do DF também negou fazer parte da 'guerra ideológica' que se criou no país

www.brasil247.com - Anderson Torres
Anderson Torres (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)


247 - O ex-ministro da Justiça de Jair Bolsonaro e ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres, disse ao juiz auxiliar do Supremo Tribunal Federal (STF) Airton Vieira  que "jamais questionou o resultado das eleições" e que não faz parte da "guerra ideológica". As declarações estão registradas em ata da audiência de custódia à qual Torres foi submetido depois de ser preso pela Polícia Federal (PF), em 14 de janeiro.

"O Ministério de Justiça e Segurança Pública foi o primeiro ministério a entregar os relatórios da transição. Eu jamais questionei resultado de eleição, não tem uma manifestação minha nesse sentido, eu fui o primeiro ministro a entregar os relatórios", afirmou.

"Essa guerra que se criou no país, essa confusão entre os Poderes, essa guerra ideológica, eu não pertenço a isso, eu sou um cidadão equilibrado e essa conta eu não devo". 

Ainda na audiência de custódia, Torres afirmou que jamais “daria condições” para os atos terroristas ocorridos em Brasília no dia 8 de janeiro.

O ministro do STF Alexandre de Moraes marcou o depoimento de Torres para o dia 2 de fevereiro, às 10h30. O depoimento que estava previsto para esta segunda-feira (23) foi desmarcado pela PF, pois não havia um pedido formal feito pelo Justiça e, portanto, aguardava a decisão de Moraes. Na quarta-feira (18), Torres permaneceu em silêncio durante a oitiva. Sua defesa alegou não ter tido acesso aos autos do processo. 

Na casa de Torres foi encontrada uma minuta golpista que previa a decretação de um 'estado de defesa' no TSE para impedir o governo Lula de assumir o poder. (Com informações do G1). 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247