"Voltaremos para abrasileirar o preço das coisas", diz Lula para as massas na UERJ (vídeo)

“Indignação é a palavra que a gente tem que ter contra o que está acontecendo”, destacou Lula falando sobre fome, desigualdade e os preços dos combustíveis no Brasil

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução)


247 - Fechando o dia de um evento promovido pelo Grupo Puebla na UERJ, o ex-presidente Lula (PT) fez um longo discurso denunciando a atual situação do Brasil e do povo brasileiro. O evento reuniu várias lideranças de esquerda do mundo, entre ex-presidente e outros dirigentes políticos.

De acordo com Lula, “indignação é a palavra que a gente tem que ter contra o que está acontecendo”. 

Destacando a situação da fome, o ex-presidente lembrou que “o Brasil é o terceiro maior alimento do planeta terra, e o maior produtor de proteína animal do mundo. Então não é possível a gente ver as pessoas correndo atrás de um caminhão que tombou com carcaças de frango, ou uma pessoa pegando no almoço osso para ferver na água e tentar fazer um caldo para colocar na água. É falta de vergonha na cara das pessoas que governam esse país”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ele ainda denunciou a privatização das estatais brasileiras. “Como não sabem governar, só querem vender o que está pronto. Não têm coragem de fazer economia pensando no povo”, disse. Lula disse que “esse país andou para trás”, justificando com a situação de estagnação do salário mínimo e do aumento dos preços dos combustíveis.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Após lembrar que o brasileiro pagava R$ 2,60 no litro da gasolina, apesar da crise de 2008, denunciou a venda da BR Distribuidora e a dolarização dos combustíveis no Brasil

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Hoje, depois que venderam a BR, tem 392 empresas importando gasolina dos EUA. Se importam pagando em dólar, têm que desembolsar em dólar do bolso de vocês, e muita gente não consegue sair de casa”, destacou. “Esperem que nós vamos voltar. E quando voltarmos, vamos abrasileirar o preço das coisas”, afirmou. “Obama disse ‘nós podemos’, a Dilma disse ‘nós queremos’ e eu vou dizer ‘nós venceremos’”, completou.

Ele também destacou a situação da fome e dos ataques aos direitos trabalhistas. “Não é normal em pleno século XXI” a fome no Brasil e no mundo, afirmou. “Não é por falta de alimento, é por falta de dinheiro”, disse Lula, denunciando a desigualdade.

“Tem gente comprando passagem de foguete para ir conhecer o espaço enquanto perto da casa dele tem gente morrendo de fome. Empresas de aplicativos acumulando bilhões de dólares. O da Amazon comprou um iate de 400 bilhões de dólares e mais um para pousar seu helicóptero. Enquanto isso, quanto ganha esse povo que pensa que é pequeno empreendedor, que trabalha com aplicativo, com Uber, entregando comida, às vezes carregando uma mala de dinheiro nas costas e a barriga roncando de fome, porque não tem dinheiro para comprar, que não tem férias, descanso semanal remunerado, salário semanal adequado e nenhum sistema de segurança social? Como é que pode?”, questionou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Usando o exemplo da Espanha, que recentemente anulou sua reforma trabalhista neoliberal, lembrou que é importante romper a reforma trabalhista no Brasil, que tirou os direitos dos trabalhadores. “Nós vamos voltar a garantir o direito do povo trabalhador desse país”, afirmou, lembrando também que a previdência social, nos governos do PT, era superavitária e destacando a luta de seu partido para melhorar as condições dos empregados e das pequenas empresas.

“Hoje tem milhões de brasileiros esperando a desgraçada aposentadoria que não sai nunca. É esse país e essa desigualdade que nós temos de mudar. O que nós precisamos é termos o direito de nos indignarmos”, afirmou. 

‘Bolsonaro é um boçal’

“Nós perdemos o direito de ficar indignados com o descaso, com um presidente que mente 7 vezes por dia, que provoca, que fala bobagem, que ofende, que coloca um ministro da Saúde que não entendia nada de saúde e montou uma quadrilha para vender vacina na época da pandemia”, criticou Lula.

“Os estudantes precisam se indignar com o que está acontecendo na educação, porque vai refletir no futuro de vocês”, continuou, destacando o esquema de corrupção dos pastores no Ministério da Educação e dizendo que o ex-ministro Milton Ribeiro “só cuidava do rebanho dele. Eram os pastores, amigos do ministro, que conseguiam dinheiro”. Ele criticou também o desmonte do FIES — programa de financiamento de estudantes — e ressaltou que “investir na educação é o investimento mais barato e o que trás mais futuro para o nosso país”.

O ex-presidente ainda afirmou que “Bolsonaro é tão frágil e tão boçal, que como ele não tem partido político, não tem bandeira, não tem música, não tem hino, programa ou manifesto, ele pegou a camisa da seleção e a bandeira brasileira”. 

“A bandeira brasileira e as cores verde e amarela não são desse fascista, pertencem a 213 milhões de brasileiros. Ele se apoderou como se fosse dele”, denunciou. Levantando a bandeira do Brasil, Lula disse ao público, que lotou a UERJ: “essa bandeira é nossa, não é deles”.

Soberania nacional e união latino-americana

Um dos principais focos do discurso de Lula foi a defesa da soberania do Brasil e dos outros países do mundo. Segundo ele, uma das causas do subdesenvolvimento brasileiro, referindo-se às potências estrangeiras, é que “nós sempre ficamos achando que alguém vai nos ajudar”. “Mas quem vai ajudar o Brasil é o povo brasileiro, na hora que ele for incluído e que ele se sentir sujeito da história e não coadjuvante da política nacional”, disse.

Ele lembrou que antes dos governos petistas, o Brasil “nunca teve muita preocupação com a América do Sul [...] e não via a África. Ficava olhando a Europa e os Estados Unidos [...] E o Brasil continuou sendo subdesenvolvido”. Por isso, destacou que sua preocupação “era com a América Latina” e lembrou da política externa do Brasil na sua época. “O Brasil passou a ser respeitado”, disse.

“A gente não falava fino com os Estados Unidos e grosso com a Bolívia. A gente tratava todo mundo com o mesmo respeito. E isso fez com que o Brasil passasse a ser um país levado muito a sério. Visitei todos os países da América Latina e 30 países da África, e ninguém queria ir para a África”, afirmou.

Lula destacou que o Brasil “virou uma referência no debate mundial”, trabalhando com países latino-americanos e outros países do mundo subdesenvolvido. “Foi isso que incomodou os americanos, que nunca admitiram que tivesse outra referência na América Latina que não fossem eles”, destacou.

Em tom anti-imperialista, Lula lembrou que “nós expulsamos a Alca, que os norte-americanos queriam introduzir, e fortalecemos o Mercosul” e destacou o fortalecimento dos negócios com Argentina e outros países da América do Sul, assim como a relação comercial com a China, em detrimento dos EUA, e a criação da União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

O ex-presidente petista denunciou que o que prejudicou a união latino-americana foram as orientações vindas dos Estados Unidos de que o inimigo da América da língua espanhola era o Brasil.

“Nossos parceiros que podem nos ajudar a crescer e eles podem crescer são da América do Sul”, declarou, defendendo o fortalecimento do bloco regional criado em conjunto com o Brasil quando ele estava no governo. “Nós não precisamos ter fronteiras. A nossa fronteira é o desenvolvimento, o crescimento, é combater a miséria juntos”, declarou.

Guerras

Lula denunciou as guerras dos norte-americanos, afirmando que eles ficam inventando justificativas, como o terrorismo, para invadir outros países, e que o ex-presidente norte-americano George Bush queria invadir Foz de Iguaçu.

“Eu vim aqui para falar de igualdade. O que eu quero é que os países sejam tratados em igualdade de condições”, afirmou. Por isso, criticou os presidentes da Rússia, EUA e Ucrânia — Vladimir Putin, Joe Biden e Volodymyr Zelensky, respectivamente — e os “presidentes dos países europeus” pela atual guerra no território ucraniano. 

“Parem com essa guerra! O povo precisa de paz, quer emprego, salário, educação, cultura, vida. O povo não quer morte. A quem interessa essa guerra? A razão dessa guerra seria resolvida no Brasil na mesa tomando cerveja. A gente iria fazer um acordo de paz”, afirmou.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email