América latina

Argentina critica falta de vontade do Reino Unido em discutir status das Ilhas Malvinas

Ministro das Relações Exteriores afirmou que a Argentina não coloca nenhuma ameaça a outros países, e que a reivindicação das Malvinas é perseguida de forma pacífica

www.brasil247.com -
(Foto: Divulgação)


Sputnik Brasil - Em artigo publicado no 40º aniversário do início da Guerra das Malvinas, o ministro das Relações Exteriores da Argentina explicou porque ele crê que o Reino Unido devia ser mais aberto quanto às Ilhas Malvinas.

As relações entre o Reino Unido e a Argentina nunca poderão continuar avançando enquanto Londres recusar discutir a questão da futura soberania das Ilhas Malvinas, disse Santiago Cafiero, ministro das Relações Exteriores argentino, em artigo publicado no sábado (2) no jornal The Guardian.

Falando no 40º aniversário do começo da Guerra das Malvinas, em nome do governo de coalizão argentino, Cafiero apelou a uma melhoria das relações bilaterais, dizendo que lamenta que o Reino Unido continua agindo como se a disputa estivesse resolvida.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Reino Unido detém o território, localizado perto de 500 km da costa oriental da Argentina desde 1833, apesar de ele também ter estado na posse do país sul-americano antes disso. Buenos Aires tem considerado as Malvinas, chamado pelo Reino Unido de Ilhas Falklands, como seu território, até que em 1982 o então governo militar da Argentina enviou tropas para reclamar o arquipélago. No entanto, o Reino Unido venceu a guerra ao fim de mais de dois meses.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O governo argentino nunca abandonou as pretensões sobre as Malvinas, com até o presidente direitista Mauricio Macri (2015-2019) não destoando dessa disputa. Assim, Cafiero considerou "incompreensível" que o tratamento da Argentina pelo Reino Unido lembrasse o dado a um país que viola normas básicas de direitos humanos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Nós acreditamos que nenhum desfecho de qualquer guerra pode resolver uma disputa reconhecida pela comunidade internacional, isso criaria um precedente perigoso. O conflito de 1982 não alterou a natureza da disputa entre ambos os países, que ainda tem uma negociação e resolução pendentes", escreveu o chanceler argentino, referindo que antes da guerra houve pelo menos 16 anos de negociações sobre a soberania das ilhas.

O ministro das Relações Exteriores afirmou que a Argentina não coloca nenhuma ameaça a outros países, e que a reivindicação das Malvinas é perseguida de forma pacífica, como estipulado na Constituição argentina. Apesar disso, nota Santiago Cafiero, o Reino Unido mantém uma grande base militar no sul do Atlântico, realiza manobras militares frequentes na área disputada, e restringe a venda de material militar de duplo uso à Argentina.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O alto responsável do governo argentino disse não entender por que o Reino Unido não respondia às propostas de Buenos Aires de reestabelecer voos regulares entre as Malvinas e a Argentina, defendendo que "mais voos significa mais comércio, mais turismo e mais diálogo, como o tivemos no passado". Santiago Cafiero também quer mais progresso na identificação dos restos de militares argentinos que caíram no último conflito.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email