América latina

Assessor de Biden admite golpes na América Latina, mas diz que 'isso mudou'

Conselheiro da Casa Branca para a América Latina, Juan Gonzales afirmou que política externa dos EUA mudou, e hoje o país "busca cooperar com qualquer governo democrático"

www.brasil247.com -
(Foto: Evelyn Hockstein/Reuters/Ag. Brasil)


Sputnik Brasil - Diante de mais de dois mil empresários, em um evento na cidade de Cartagena, o funcionário do governo de Joe Biden, presidente dos EUA, falou sobre as mudanças da política externa norte-americana para a América Latina.

"Há 40 anos, os Estados Unidos teriam feito todo o possível para evitar a eleição de Gustavo Petro [novo presidente da Colômbia]. E, uma vez eleito, teriam feito todo o possível para sabotar o seu projeto", disse Juan Gonzales durante Congresso Empresarial Colombiano.

Natural de Cartagena, Juan Gonzales relatou que entende quando os países da região classificam a política externa dos Estados Unidos como a "manifestação de um império".

O funcionário do governo americano afirmou que, por outro lado, hoje essa relação é diferente. "Assim como a política precisa evoluir, a colaboração também", disse ele.

"Não importa qual é a ideologia de um governo ou onde ele está no espectro político. Se for eleito e governar democraticamente, vamos avançar nos pontos de interesse comum. Também comunicaremos nossas preocupações a eles", afirmou.

Gonzalez assegurou que a América Latina é "uma reserva estratégica para os Estados Unidos". Embora tenha enfatizado que os EUA cooperarão com os países independentemente de ideologias ou espectros políticos, ele não mencionou a Venezuela em seu discurso.

Os EUA, vale lembrar, apoiam e continuam a reconhecer o "governo interino" de Juan Guaidó, apesar de Nicolás Maduro ter sido eleito democraticamente, em um pleito reconhecido pelas Organização das Nações Unidas (ONU) e outros países, como China e Rússia.

Nos últimos meses, o governo do presidente Joe Biden manteve uma relação dúbia com o governo venezuelano. Ao passo que apoia Guaidó, a Casa Branca e Miraflores estiveram reunidos para negociar diferentes tópicos em política, economia e energia.

Os acordos entre Biden e Maduro, inclusive, resultaram concretamente na liberação de dois americanos.

Semanas depois, foi a vez dos EUA relaxarem as sanções contra a indústria petrolífera venezuelana, permitindo que empresas americanas e europeias retomassem suas operações no país sul-americano.

A medida foi vital para Washington e a Europa diante do conflito na Ucrânia e das restrições impostas ao petróleo e ao gás russos.

Para além disso, os EUA decidiram excluir os governos da Venezuela, Cuba e Nicarágua da IX Cúpula das Américas, argumentando que esses países não cumpririam "os padrões democráticos" de Washington.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email