América latina

Haverá 'banho de sangue' no Equador se Lasso não cumprir exigências de indígenas, diz ex-chanceler

Equador vive uma onda de protestos de grupos indígenas desde a última segunda-feira (13)

www.brasil247.com -
(Foto: Conaie/Divulgação)


Sputnik Brasil - O ex-chanceler equatoriano Ricardo Patiño afirmou, nesta terça-feira (21), que haverá um "banho de sangue" no Equador se o presidente, Guillermo Lasso, não atender às demandas dos povos indígenas e decidir não renunciar ao cargo.

"Infelizmente, pode ocorrer um banho de sangue [caso Lasso não queira renunciar ou cumprir as exigências dos povos indígenas]. Isso é muito grave, porque as organizações que estão à frente da greve disseram que, se o presidente não corrigir as políticas, eles vão continuar com suas medidas, e é claro que isso significa uma situação muito séria para o país", disse o ex-chanceler à Sputnik.

O Equador vive uma onda de protestos de grupos indígenas desde a última segunda-feira (13). Os manifestantes, que bloquearam ruas ao redor do país, criticam políticas econômicas de Lasso, como a concessão de licenças de mineração em terras indígenas e os preços dos combustíveis. Além disso, eles pedem mais tempo para pequenos agricultores pagarem empréstimos bancários.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O presidente da Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie), Leonidas Iza, tem mobilizado os grupos por meio das redes sociais. "Companheiros e companheiras do Movimento Indígena, de organizações e setores sociais mais populares, a #GreveNacionalEquador mantém as medidas de fato até que o governo responda às demandas da greve nacional, popular e multinacional. União e força nesta luta", disse ele.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em resposta, no último sábado (18), o presidente equatoriano declarou estado de exceção em três províncias do país.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A medida ficará em vigor por 30 dias em Imbabura, Cotopaxi e Pichincha (onde está a capital, Quito), regiões que registraram os maiores protestos.

"Pedi diálogo e a resposta foi mais violência, não há intenção de encontrar soluções", afirmou Lasso, em um discurso pela televisão, no sábado (18).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O presidente anunciou que aumentará o auxílio a setores mais vulneráveis e subsidiará o custo de fertilizantes em 50% para pequenos e médios fazendeiros. Segundo ele, o banco público do país perdoará empréstimos vencidos de até US$ 3.000 (R$ 15,4 mil, aproximadamente).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email